Écio Capovilla, de Valinhos à Seleção Brasileira

Na década de 50, o clube da empresa Rigesa, da cidade de Valinhos, disputava campeonatos amadores em Campinas, e ainda na categoria infantil o volante Écio Capovilla já se destacava pelo estilo clássico, precisão nos passes e sabedoria na marcação para o desarme, evitando cometer faltas.

Logo, o Guarani tratou de levá-lo para o seu time juvenil. E dali para o Fluminense não tardou. Só que o clube carioca não dimensionou a ameaça do atleta de retorno a Valinhos – sua cidade natal – e o risco de perdê-lo em não havendo acordo para melhoria salarial.

Disso se aproveitou o Vasco que o levou de volta ao Rio de Janeiro em 1956, começando ali uma rica história no clube cruzmaltino, com auge dois anos depois na conquista do super Campeonato Carioca. Eis a equipe base da época: Ita; Paulinho de Almeida, Bellini, Orlando Peçanha e Coronel; Écio e Roberto Pinto; Sabará, Almir, Vavá e Pinga.

Na época, a Revista do Esporte, com circulação maciça no Rio de Janeiro, publicava a seção ‘Gosto não se Discute’, ocasião em que Écio revelou 18 coisas que gostava e 19 que detestava. Entre aquelas que mais o agradava enfatizou a voz da cantora Elizete Cardoso, a ‘Divina’, assim como andar de automóvel na chuva. Confessava que torcia o nariz para concentração prolongada, jogar em campo enlameado, e quando tinha obrigação de acordar muito cedo.

A regularidade implicou em chamada à Seleção Brasileira em 1960, pelo treinador Vicente Feola, quando participou da Copa Rocca e Oswaldo Cruz na Argentina e Paraguai, respectivamente. Écio era reserva de Dino Sani, em competições nem sempre com a presença de Pelé nas escalações. Em uma das partidas como titular, Écio teve os seguintes companheiros: Gilmar; Djalma Santos, Bellini, Orlando e Nilton Santos; Écio e Chinesinho; Garrincha, Vavá, Dida e Zagallo.

A trajetória de Écio no Vasco se prolongou até 1964, quando se transferiu ao Sporting Cristal de Lima, no Peru, onde dois anos depois encerrou a carreira. Depois disso foi gerente de empresa multinacional, secretário de esportes da Prefeitura de Valinhos e empresário do segmento de gastronomia.

Com 80 anos de idade completados em novembro passado, Écio desfruta de merecida aposentadoria. Todavia lúcido e gozando de boa saúde, participa das rodas de futebol e acompanha a maioria dos jogos pela televisão.

Ariovaldo Izac

Sobre Ariovaldo Izac

Ariovaldo Izac já escreveu 52 posts nesse site..

O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

BetWarrior


Poliesportiva


Ariovaldo Izac
Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

    Artigos Relacionados

    Topo