Eberlin abre o jogo sobre situações na Ponte Preta. (Foto destaque: Divulgação/Diego Almeida/ PontePress)

De antemão, na tarde da última segunda-feira (11) Marco Antônio Eberlin, deu a primeira entrevista coletiva como presidente da Ponte Preta, e abriu o jogo sobre as situações atuais. Tal como, a eventual saída do goleiro Ivan, a possível chegada do atacante Lucca, o assédio sobre o atacante Moisés e também a realidade financeira do clube.

A saber, o diretor disse que a Macaca não ficará com nada quando Ivan for negociado devido a empréstimos anteriores. Porém, apesar dos direitos do goleiro, pertencerem à Ponte, o time fez mútuos tendo como garantia da venda do defensor. Assim, o valor gira em torno de R$ 10 milhões / R$ 12 milhões.

“Dificilmente vai aferir algum valor com a venda dele, e muito menos tem controle da saída. Diante da categoria dele, da procura que existe, o Ivan possivelmente pode sair, mas até a tarde desta segunda-feira, oficialmente, não fui procurado ainda pela diretoria do Corinthians”

Bem como, Moisés, tem o caso semelhante ao do goleiro:

“Receber jogadores em troca está descartado. A Ponte já tem seu elenco praticamente pronto. Em relação a empréstimo ou venda, a Ponte precisa de dinheiro no caixa, mas eu vou alertar também: o Moisés tem um percentual pequeno que pertence ao clube. Nenhum dirigente do futebol brasileiro procurou Marco Antônio Eberlin, que é o presidente da Ponte. E eu só vou falar quando for procurado”

Eberlin abre o jogo sobre situações da Ponte Preta

De maneira que, as conversas com Lucca estão em andamento e deixou claro que o clube segue tentando de todas as formas o retorno do jogador. No entanto, ainda não tem nada definido.

Por outro lado, sobre a situação financeira do clube que segundo ele é “caótica”, com atraso de dois meses e o 13º nos salários dos funcionários e a necessidade de R$ 20 milhões para deixar a casa em ordem.

“O salário dos funcionários não está em dia. Na verdade, sabíamos que herdaríamos alguma coisa de atraso, mas pensávamos que seria o décimo terceiro. Mas são dois meses e mais o décimo terceiro. Só que eu me antecipei e já na semana passada conversei com os funcionários para dizer que iríamos pagar os salários nessa semana”

Nesse ínterim, o objetivo para 2022 é esperar garra, vibração e uma busca incessante por resultado contra qualquer equipe:

“.Agora falar em títulos, fica um pouco mais difícil. Pode ocorrer, mas a Ponte está montando um time com a cara da sua torcida. Que vá para campo e mostre toda vibração e toda transpiração. É isso que vamos cobrar do elenco. Às vezes no papel está uma maravilha, mas a bola não entra, e o torcedor pode ficar decepcionado. Só peço que o torcedor acredite, que venha nos ajudar, porque com ele do lado a Ponte se torna muito diferente. E pode ter certeza que no meu mandato a Ponte sermpre terá um time que vai dignificar as cores, a instituição e a torcida da Ponte”.

Foto destaque: Divulgação/Diego Almeida/ PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs