Dois anos sem o treinador Giba

Esse 24 de junho marcou o segundo ano da morte do treinador de futebol Giba, vítima de doença rara e grave chamada amiloidose. Ele morreu aos 52 anos de idade, em São Paulo, desmanchando um projeto de entrar no seleto grupo de comandantes que dirigem grandes clubes brasileiros.

 Enquanto jogador, Giba também havia projetado carreira longa, mas foi abruptamente interrompida aos 31 anos de idade quando estava vinculado ao Corinthians em 1993, após se submeter a cirurgia de joelho.

 Dispensado pelo clube, ele acusou o médico Joaquim Grava de inutilizá-lo para o futebol, mas perdeu o processo na Justiça. Assim, o jeito foi pensar em continuar no futebol como treinador, e o Paulista de Jundiaí (SP) abriu-lhe as portas em 1996. Quis o destino que fosse também o último clube em sua carreira, em 2014.

 Dos grandes clubes, Giba comandou o Santos em 1999 e 2000, mas o histórico predominante foi em clubes pequenos e médios, como Portuguesa, Santa Cruz (PE), Fortaleza, Remo (PA) e Guarani em duas passagens, a última delas em 2011 quando convenceu os jogadores a continuarem trabalhando normalmente, apesar do atraso de salário de três meses.

 A rigor, foi o Guarani o clube que serviu para dar um salto na carreira do atleta Antonio Gilberto Maniaes em 1984. A princípio teve que ser paciente na reserva de Ricardo Rocha. Bastou o companheiro ser deslocado à zaga, para formar dupla com Júlio César, para que lhe fosse aberto espaço como titular. Começava, então, a se deslanchar na carreira, para orgulho dos amigos de Cordeirópolis (SP), a cidade natal.

 O apogeu da forma física-técnica dele foi atingido no Corinthians, com inevitáveis comparações a consagrados laterais-direitos que por lá passaram como Zé Maria e Edson Abobrão. Se Giba não tinha o vigor físico como marcador, não se pode afirmar que não correspondia na função. Com a bola nos pés, mesmo não sendo veloz tinha consciência no apoio ao ataque.

Giba participou do primeiro título brasileiro conquistado pelo Timão em 16 de dezembro de 1990, na vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo, com gol de Tupãzinho. O jogo foi realizado no Estádio do Morumbi, com público de 100.858 pagantes. O técnico corintiano era Nelsinho Baptista, e o time formado por Ronaldo; Giba, Marcelo, Guinei e Jacenir; Márcio, Wilson Mano e Neto; Fabinho, Tupãzinho e Mauro.

 Reflexo de atuações convincentes resultaram em convocações à Seleção Brasileira, e na ocasião demonstrava gratidão ao Independente de Limeira e União São João de Araras, clubes do interior paulista que lhe deram as primeiras oportunidades na carreira de atleta.

Ariovaldo Izac

Sobre Ariovaldo Izac

Ariovaldo Izac já escreveu 52 posts nesse site..

O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

BetWarrior


Poliesportiva


Ariovaldo Izac
Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

    Artigos Relacionados

    Topo