Coutinho

Bom de bola, artilheiro e prodígio nacional. Essas são algumas das características de Philippe Coutinho, o nosso aniversariante do dia. O atleta teve grandes oportunidades de, apesar da pouca idade, viver dias glórias com a camisa de grandes clubes internacionais. Por isso, a coluna Parabéns ao Craque homenageia o jogador.

Linha do tempo: do Vasco para o mundo

Philippe Coutinho Correia, nasceu em 12 de Junho de 1992, no Rio de Janeiro, e desde sempre mostrou muita bola no pé. Tanto que, a sua carreira começou oficialmente nas categorias de base do Club de Regatas Vasco da Gama aos 18 anos e na época já havia boatos de negociações com o clube internacional Inter de Milão. Mas voltemos para o começo de tudo: sua relação com o clube carioca.

A relação entre jogador e o Vasco começou em 1999. Na oportunidade, Coutinho tinha apenas 7 anos e, de maneira veloz, foi convidado para defender a equipe fraldinha de futsal do clube. Já a sua estreia oficial, a comando do técnico Dorival, aconteceu em 18 de junho de 2009 contra o adversário Duque de Caxias, pela Série B. Contudo, em rápida passagem como titular, o meia disputou apenas 44 jogos com a equipe vascaína antes de embarcar em direção para o Inter de Milão.

Em terras internacionais, Coutinho teve poucas oportunidades dentro de campo com a camisa do Inter de Milão (2010/11 e 2012). Em suma, foram 45 jogos em três anos. Entretanto, conseguiu acrescentar em sua passagem internacional a Copa da Itália e Supercopa. Além disso, segundo o site oGol, o atleta conquistou em seu caminho oportunidades de contratos nos clubes: Espanyol (2011/12), Liverpool (2012/17), Barcelona (2017/19), Bayern de Munique (2019/2020) e novamente Barça (até o momento).

Enquanto isso na Seleção Brasileira

Coutinho viveu anos de triunfos. Ou seja, o atleta venceu do sub-15 ao sub-20. Já com a equipe principal, o meia conquistou o Super Clássico das Américas e a Copa América. Sendo assim, foi em 2018 que o menino brilhou. O momento era a Copa do Mundo na Rússia, e Philippe aproveitou bem uma sobra de bola para abrir os gols da nação brasileira no campeonato. Na ocasião, finalizou o 222º gol da história do Brasil em Mundiais. Ainda, foi considerado um dos melhores jogadores brasileiros da temporada.

Mais uma lesão?

O atleta não joga desde o dia 29 de dezembro de 2020, quando sofreu a lesão no menisco pelo Campeonato Espanhol. Coutinho havia disputado, até o momento na temporada: 14 jogos, com três gols e duas assistências. Ainda, foi titular em 10 partidas. E agora, segue com dispensa do clube e em recuperação da cirurgia no Rio de Janeiro.

E agora? Sem Copa América?

A situação de Coutinho não tem sido fácil e não é novidade que não pertence ao grupo selecionado para a Copa América. O atleta que enfrentou mais uma cirurgia em sua carreira, na ocasião, fez com que não pudesse disputar junto a equipe brasileira. De acordo com o doutor Rodrigo Lasmar, médico do Atlético-MG e da Seleção, não há previsão para o retorno do jogador. Vale ressaltar, essa é a terceira intervenção cirúrgica do meia-atacante desde janeiro.

“Seu retorno ao esporte irá depender da sua evolução ao tratamento. Por se tratar de uma terceira cirurgia, precisamos ter mais cautela e não faremos previsões.” comenta médico do Galo e da Seleção em entrevista ao GE.

Como fica o futuro?

Por fim, atualmente o atleta tem contrato de empréstimo com o clube espanhol, Camp Nou. Contudo, a sua permanência por lá é incerta. Afinal, sufocado em dívidas, o clube não consegue segurar o contrato de alto preço do jogador brasileiro. Sendo assim, é possível um provável devolução do meia para o Barça.

O Barcelona por sua vez, segue com algumas mudanças no elenco e tem Coutinho como uma delas. Ou seja, um novo empréstimo do passe do jogador pode acontecer, movimentando, mais uma vez, o mercado da bola. Vale ressaltar, Olympique de Marselha é um dos times que já se despertaram em interesse para essa possível transferência. Até o momento, Philippe segue com contrato com o Barça até junho de 2023. Sendo assim, permanece a expectativa de dias melhores e gols de fora da área do meia-atacante brasileiro.

Foto Destaque: Reprodução/Reuters

Amanda Scarlatt
Amo poder ter o jornalismo como a minha maneira de expressão. Sou apaixonada pelo meio digital e tudo que podemos construir nele por meio da comunicação. Acredito fielmente na essência de uma boa matéria jornalística -a investigação-, isso, independente da editoria e meio. Enfim, viva o jornalismo! E respeitemos a profissão e os profissionais.