Dívidas do Flu cresce e jogadores dão ok para receber o acordo feito sobre redução salarial

Por conta da pandemia, o ano de 2021 está sendo diferente. Sendo assim, no futebol também. O Fluminense está passando por uma crise financeira, que já vem se arrastando por anos. Pensando nisso, como está sendo uma temporada atípica, a diretoria do clube está cogitando em outras formas dessa dívida diminuir. Dessa forma, o presidente, Mário Bittencourt, fez um acordo com os jogadores sobre redução salarial no início da pandemia.

Naquela ocasião, os cartolas do Flu prometeram quitar tudo até o fim deste ano. Caso não conseguissem, teriam que pagar a pagar a diferença que o elenco abriu mão em março (15%), maio (25%) e junho (25%). Mas como a temporada ainda não terminou, o prazo se estendeu até março de 2021, com o aval dos jogadores. Vale lembrar que este acordo foi registrado no Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Saferj).

Esta crise que o clube está passando já vem desde de 2013. Foi onde a instituição começou a ter dificuldades para pagar os salários dos jogadores em dia. Dessa maneira, na atual diretoria do Tricolor, que assumiu em junho de 2019, até o momento já quitou 20 folhas em 17 meses, incluindo o 13º de 2018, segundo o portal de notícias GE. Vale ressaltar que, na semana passada, a diretoria também quitou 20% dos salários de outubro de jogadores e funcionários.

Sendo assim, a pandemia está fazendo que os clubes mudem a estratégia para fechar no verde. Como, por exemplo, buscar acordo para redução salarial, venda de jogadores e planos de sócio torcedor. Além disso, com a saída do técnico Odair Hellman e do zagueiro Digão, a folha salarial do Fluminense teve uma economia de cerca de meio milhão de reais. Mas só valerá a partir de 2021.

Flu pagará até março:

  • 80% dos salários de outubro de 2020 (em atraso)
  • 100% dos salários de novembro de 2020 (em atraso)
  • 20% dos salários de março de 2020 (adiados pelo acordo)
  • 100% dos salários de dezembro de 2020 (a vencer)
  • 1/3 das férias tiradas em abril de 2020 (adiado pelo acordo)
  • 100% dos salários de janeiro de 2021 (a vencer)
  • 50% dos salários de abril de 2020 (adiados pelo acordo)
  • 100% dos salários de fevereiro de 2021 (a vencer)

Por fim, o jornalista Rodrigo Capelo, que é especialista em finanças, fez uma análise no seu blog onde fala sobre a dívida do clube. De acordo com ele, o clube tem um déficit de quase R$700 milhões de reais neste terceiro trimestre. Primeiramente vale lembrar que abrange de janeiro a setembro. Por outro lado, segundo GE, o Tricolor das Laranjeiras quitou os salários atrasados dos atletas e funcionários do clube nesta quinta-feira (23), referente aos meses de outubro e novembro. Dessa forma, a instituição fechará 2020 em dia na CLT.

Foto Destaque: Lucas Merçon / Fluminense FC

Gabriel Gonçalves
Formado em jornalismo, escolhi esse caminho pois gosto de contar histórias para as pessoas. Apaixonado por esportes, agradeço ao meu avô por ter colocado o futebol na minha vida.

Artigos Relacionados