Antes de mais nada, a partida entre Cádiz e Valencia, que ocorreu neste domingo (4), foi marcada pelo ato racista do espanhol Juan Cala com o francês Mouctar Diakhaby. Na metade do 1º tempo os dois se envolveram em uma discussão, onde o zagueiro do time visitante relatou ter sido chamado de “negro de merda” pelo rival. Posteriormente, o esquadrão inteiro de Javi Gracia se retirou de campo em protesto. Logo após 20 minutos no vestiário, os Che retornaram. Entretanto, sem a presença de Diakhaby, que recusou voltar ao jogo.

Nesta terça-feira (6), o camisa 12 do clube de Mestalla falou pela primeira vez após o ocorrido. A princípio, o jogador utilizou as redes sociais para publicar um vídeo de pronunciamento. Dessa forma confirmou a ofensa de Cala, e disse que hoje está bem, mas deseja punições pelo ato do adversário.

“Hoje me sinto bem, mas me doeu muito. É a vida, mas espero que a Liga espanhola consiga ter provas para que tudo fique claro e possa tomar atitudes. E quero agradecer ao Valencia, aos meus companheiros, aos meus treinadores e aos torcedores pelo carinho e apoio que me deram. E quero dizer que estou bem. Obrigado, disse Mouctar

JUAN CALA DIZ QUE “FOI CRIADO UM CIRCO”

Também nesta terça-feira (6), Juan Cala se pronunciou em entrevista coletiva. O defensor afirmou que “criaram um circo”, e sugestionou que o francês inventou ou interpretou errado o que disse no gramada.

“Houve um desentendimento entre nós e eu pedi que me deixasse em paz. Eu não sei o que Diakhaby pensa que ouviu, se interpretou mal ou inventou algo. Apenas pedi que me deixasse em paz”, relata o atleta do Cádiz

De antemão, a La Liga investigará o caso internamente. Dessa maneira, Cala poderá responder dentro de artigos do código disciplinar do futebol espanhol, como ofensa grave ou xenofobia, cuja punição varia de multa a suspensão por cinco anos.

Foto Destaque: Reprodução/Getty Images

Avatar
Giovanna Monteiro
Cursando o 4º semestre de Jornalismo na Universidade Anhembi Morumbi, apaixonada por esportes desde os 7 anos e hoje com a cabeça e o coração encaminhados ao Jornalismo Esportivo.

Deixe uma resposta