Danrley projeta novo começo na Ponte. (Foto destaque: Divulgação/ Álvaro Júnior/ PontePress)

À primeira vista, o volante Danrley retornou à Ponte Preta depois do empréstimo ao Palmeiras. Ainda mais que, agora, mais maduro, projeta um novo começo na equipe principal da Macaca.

Vale lembrar, o futebolista foi emprestado ao Palmeiras em fevereiro deste ano. Juntamente com isso, atuou na equipe sub-20 do Verdão e fez parte do elenco da equipe da capital nos campeonatos Paulista e Brasileiro da categoria. Ocasionalmente, o contrato tinha opção de compra de 50% dos direitos econômicos. No entanto, o Verdão não exerceu.

Assim também, com contrato na Alvinegra até junho de 2023, o atleta comemorou o retorno à Campinas.

“Sinto muita gratidão por todos do clube. Agradeço ao treinador pelas oportunidades que tive, e agradeço por todos com quem tive contato, que me receberam muito bem. Fico triste apenas pelas lesões que tive, mas o pessoal não me deixou desanimar e entendi que isso faz parte da carreira. Como estou totalmente recuperado, vou treinando à parte, para poder retornar bem e agregar ainda mais ao time, em janeiro”.

Danrley

Eventualmente, o volante foi promovido ao profissional da Ponte, em 2020, recebeu algumas chances, mas não conseguiu se firmar, principalmente por questões disciplinares.

De maneira que, foi suspenso pelo clube durante o Paulistão, ainda antes da paralisação, por questões extracampo. Ou seja, já em janeiro de 2021, acabou afastado por 10 dias e também multado por ter sido flagrado em uma casa noturna, sem máscara. Assim como, estava ao lado do atacante João Veras, descumprindo o protocolo de segurança contra a Covid-19.

Nesse ínterim, após a estreia no time principal, em fevereiro de 2020, o atleta lembrou do início da trajetória no futebol. Eventualmente, também relembrou um momento marcante em sua vida em que o pai pedia dinheiro na rua para comprar a passagem de ônibus até o treino.

Foto destaque: Divulgação/Álvaro Júnior/PontePress

Ainah Carvalho
Ahhh o jornalismo, gosto muito do contato, de escrever, falar, questionar e lembro bem que desde pequena sonhava entrevistar os jogadores após o jogo. Aí cresci e o desejo continuava. Entrei para a faculdade de jornalismo e me formei em 2015. Na época da faculdade trabalhei em rádio-escuta em uma assessoria e fui repórter em um site de máquinas. Após a formação trabalhei em uma assessoria com artistas independentes e também já cuidei das redes sociais de um hotel. Fiz bons cursos no Senac como o jornalismo esportivo, grande amor, também fiz apresentação de programas jornalísticos e programas de variedades. Mas o que eu me identifiquei foi apresentar um programa esportivo. Ahhhh esse amor rsrs