Nesta semana, a Coluna Reino Unido pelo Futebol , conta a intrigante história de Daniel William John Ings, o comumente conhecido Danny Ings. A saber, o artilheiro do Southampton já passou muitas dificuldades no mundo do futebol, principalmente por conta de diversas lesões. Contudo, o goleador nunca se deixou abater, e hoje colhe os frutos de todo o seu esforço para se manter ativo dentro das quatro linhas.

Início da carreira de Danny Ings

Curiosamente, a história deste jogador começou em seu clube atual, o Southampton. No entanto, ainda na categoria juvenil, Ings foi rejeitado, pelo fato de ser muito pequeno. Ainda assim, o motivo não desacreditou o jovem garoto, que tinha o sonho de se tornar um futebolista internacional. Desta maneira, o atleta foi para um dos rivais dos Saints, o Bournemouth.

Decerto, Daniel ainda estava muito jovem para aparentar algo diante dos grandes clubes da terra da rainha. Contudo, em maio de 2008 assinou um contrato de aprendiz por dois anos com os Cherries. No ano seguinte, o jogador fez sua estreia pelo clube profissional, mais precisamente no dia 6 de outubro.

Começo tortuoso

Inegavelmente, o desejo de se tornar jogador de futebol paira na mente de muitos jovens, que se imaginam atuando em grandes clubes e também por suas respectivas seleções. Entretanto, existe neste mundo mágico do futebol, um grande pesadelo para todo atleta, as indesejáveis lesões.

Desta maneira, logo em seu início de carreira, Ings percebeu que a caminhada rumo ao sucesso não seria fácil, mas dura e árdua. A saber, ainda em sua segunda temporada no Bournemouth, o jogador sofreu uma lesão abdominal, que fez ele ficar de fora por um longo período.

Danny Ings no Dorchester Town

Certamente, a parte mais curiosa da breve passagem de Danny Ings pelo Dorchester Town foram as diversas renovações de contrato do jogador em apenas uma temporada. Ou seja, o clube não fazia renovações longas e aumentava o prazo de empréstimo vez por vez, tudo por conta do histórico de lesões.

Danny Ings
Danny Ings ainda jovem com a camisa do Dorchester Town. (Foto: Reprodução/ Dorsetecho)

Retorno para o Bournemouth

Sarcasticamante falando, ao final da temporada 2010, o atleta retornou aos Cherries pela necessidade do clube, que estava com muitos jogadores no departamento médico. Assim, o atacante obteve um contrato de dois anos. Posteriormente, ainda conseguiu estender este prazo por mais um ano, devido suas boas atuações.

Como resultado, Ings se firmou na titularidade do time e conseguiu desenvolver bem seu futebol. Por consequência, ajudou o clube a chegar às semifinais dos Play-offs da League One, quando foram derrotados para o Huddersfield Town. Ainda assim, permaneceu no clube fazendo parte dos treinos da pré-temporada. Contudo, se transferiu para o Burnley, após a derrota para o Charlton Athletic na primeira partida da temporada 2011.

Dias de Luta

Após três anos jogando profissionalmente e não tendo ultrapassado a simples marca de 40 jogos, Ings foi contratado pelo Clarets para o ano de 2011. De cara, poucos dias após desembarcar no novo clube, o atacante sofreu uma lesão no joelho, fato que o deixou fora daquela temporada. Por certo, após marcar apenas três gols em sua primeira temporada, Ings estava inspirado para mostrar o seu verdadeiro potencial.

Desta forma, após a saída de Jay Rodriguez, o atacante começou a nova temporada como titular. Assim, os gols começaram à aparecer em diversos jogos amistosos de pré-temporada. Contudo, uma grave lesão no joelho, oposto do problema anterior, tirou o atleta por mais seis meses dificultando a vida do jovem.

Dias de Glória

Decerto, foi na temporada 2013/14 que Ings deslanchou profissionalmente no mundo do futebol, sorte para o Burnley, que contou com suas brilhantes atuações. Como resultado, o atacante ganhou o título de jogador do ano pela Football League Awards. Resultado de 22 gols gols na Championship, segunda divisão inglesa. Além disso, os Clarets foram recompensados, pois ficaram em segundo na Liga e, consequentemente, acederam à primeira divisão da Inglaterra, a Premier League.

Semelhantemente à maior parte dos clubes que sobem de divisão, o Burnley aparentou dificuldades na elite do futebol inglês e não conseguiu se assegurar na primeira divisão. No entanto, a qualidade de seu centroavante se destacou em meio à pouca força do time. Desta maneira, Danny Ings terminou a temporada 2014/15 com 11 gols em 35 jogos na Liga. Além disso, para coroar a temporada, pela primeira vez, Ings fez parte da convocação para a seleção sub-21 da Inglaterra.

Liverpool, aí vou eu!

Como dito anteriormente, o sonho de qualquer jogador de futebol é um dia atuar em um grande clube da Europa. Sob o mesmo ponto de vista, Danny Ings não pensou duas vezes ao receber a proposta do Liverpool, no início da temporada 2015/16. Sendo assim, o processo de compra foi bem agradável para os Reds, uma vez que o jogador em fim de contrato com o Burnley, chegou de graça para o clube.

Reds: dores sem fim

Por certo, o que parecia a realização de um sonho, acabou se tornando um dos maiores pesadelos no currículo deste jogador. A saber, após poucos meses de sua chegada ao Liverpool, o atacante se machucou novamente, desta vez, foi o ligamento do cruzado anterior do joelho esquerdo. Além da péssima notícia da lesão, o jogador perdeu a oportunidade de mostrar seu futebol para o treinador recém chegado, o técnico, Jürgen Kloop.

Danny Ings
Ings com a camisa do Liverpool, onde ficou por quatro temporadas. (Foto: Reprodução/ Shoot)

Desta maneira, o atacante ficou de fora pelo restantes da temporada, precisando novamente se esforçar para voltar aos gramados. Assim, o jogador até se recuperou antes do programado e voltou na última partida da temporada, no empate em 1 x 1 com o West Bromwich.

O raio cai, sim, duas vezes no mesmo lugar!

Praticamente um ano depois de sua primeira lesão com a camisa dos Reds, Ings sofreu mais uma lesão grave no joelho. O processo foi ainda mais duro, tendo que ficar fora por cerca de nove meses. Além disso, ainda foi submetido à uma operação para reparar o dano.

Chega de dor

Após ficar por quase duas temporadas só no departamento médico, o atacante voltou a marcar um gol, no dia 21 de abril de 2018. Assim, este foi seu primeiro tento com o manto do Liverpool, desde sua chegada ainda em meados de 2015. Por fim, a melancólica e dolorida passagem de Danny Ings pelo Liverpool, se resume em apenas 14 jogos com três gols, num total de quatro temporadas no clube.

Rumo novo, vida nova

Decerto, a permanência de Danny Ings na equipe do Liverpool não estava compensando para o jogador. Isto, pois, além de estar com diversos problemas fisícos, o atacante estava rodeado de inúmeros atletas de qualidade, que, por sua vez, estavam à frente dele. Desta maneira, mesmo sem o consentimento de Kloop, que gostava do jogador, Danny Ings prefiriu trocar de clube.

Danny Ings nos Saints

A princípio, a estadia de Ings no Southampton era até o final da temporada. Contudo, o empréstimo logo se converteu em um contrato permanente, que custou cerca de 20 milhões de euros aos cofres dos Saints. Sendo assim, sua estreia foi contra seu ex-clube, o Burnley, em um empate sem gols. Em seguida, cinco dias após entrar como reserva, o atacante foi titular diante do Everton, e mesmo com a derrota por 2 x 1, Ings marcou seu primeiro tento com o manto do Southampton.

Em seguida, também participou ativamente da primeira vitória da equipe na nova temporada. A saber, marcou o gol de abertura no triunfo diante do Crystal Palace por 2 x 0. Desde então, Danny Ings se ambientou com o clube, e a recíproca é verdadeira.

Como resultado, as lesões mais graves foram ficando de lado e a qualidade do jogador se aflorou na equipe, fazendo o time chegar a fazer boas campanhas na elite do futebol inglês. Só para exemplificar, nesta temporada 2020/21, os Saints estão classificados para às semifinais da FA Cup, a Copa da Inglaterra. Assim, os comandados de, Ralph Hasenhüttl, estão muito perto de fazerem história nesta competição, pois podem chegar à final pela primeira vez.

Danny Ings
Danny Ings comemorando mais um gol com a camisa do Southampton. (foto: Reprodução/ Sky Sports)

Temporada 2019/20

Antes de mais nada, é necesário reconhecer a capacidade do time do Southampton, que, na temporada 2019/20, conquistou a terceira melhor campanha como visitantes na Premier League. Dito isto, percebesse o motivo da estabilidade deste belo jogador, que, com excessão aos períodos de lesão, sempre demonstrou ter a virtude de marcar gols.

Só para exemplificar, Ings marcou 22 tentos ao fim da Liga, ficando como o segundo maior artilheiro do Campeonato ao lado de Aubameyang, e atrás apenas de Jamie Vardy, jogador do Leicester, que marcou 23 vezes. Além disso, Danny pôde retornar à seleção inglesa, onde havia disputado uma partida em 2015. Sendo assim, atuou em duas partidas, fazendo seu primeiro gol pela seleção principal no amistoso contra País de Gales, em jogo realizado em Wembley.

Danny Ings fora das quatro linhas

De antemão, não, não vou falar sobre mais uma lesão deste jogador, e, sim, sobre suas ações fora do futebol. Ainda na sua época de Burnley, o atleta fez um belíssimo ato de caridade, ao ajudar um fundo de arrecadação que trabalhava em prol de uma funcionária, que estava com câncer.

Além disso, o atleta criou um projeto para treinamento de futebol para crianças com deficiências e com dificuldade de aprendizado. Segundo o próprio jogador, esta iniciativa foi gerada após um fã pedir sua chuteira ao termino de uma partida.

“Há alguns anos, depois de um jogo contra o Ipswich, havia um jovem chamado Joe Skinner a quem dei as minhas chuteiras. O olhar em seu rosto me inspirou e, antes de entrar no vestiário naquele dia, tornou-se viral. Então, daquele dia em diante, realmente me inspirou a dar tudo de volta e fazer o máximo que puder para trabalhar com jovens com deficiência. Estou planejando cobrir o máximo de deficiências que puder e dar-lhes todo o apoio e treinamento de futebol que puder”, disse Ings. 

Foto Destaque: Reprodução/ Sky Sports

Avatar
Alan Martins
Olá, meu nome é Alan Martins de Almeida, de 26 de Junho de 1995. Neste dia nasci para Deus, minha família e para o Futebol. Viver, torcer, assistir e comentar faz parte de quem Eu Sou. Agora compartilho um pouco desse amor para todos aqueles que assim como eu tem o #Futebolnaveia!

Deixe uma resposta