Lateral direita do CSA ganha rotatividade. Foto destaque: Reprodução/Francisco Cedrim/RCortez/CSA

A lateral direita do CSA é a posição que ganhou uma rotatividade durante a Série B. Com isso, o técnico Mozart possui três jogadores que são as opções para o setor: Norberto, Diego Renan e Cedric. A saber, na estreia da Série B, contra o Guarani, o CSA iniciou a partida com Caio Felipe na lateral direita. Posteriormente, se iniciou o uso dos atletas, sendo Norberto o primeiro.

LATERAL DIREITA

NORBERTO

Norberto assumiu a posição no duelo com a Ponte Preta, pela quinta rodada, em Campinas. Anteriormente, contra o Operário-PR, ele havia sido escalado no meio-campo. Resumindo, Norberto tem 17 jogos pelo CSA na Série B. Foi titular em 11 partidas e tem um gol. Antes que iniciasse a boa temporada pelo Azulão, Norberto havia passado por times como Santos, Bahia, Cruzeiro e Sport.

DIEGO RENAN

Diego Renan foi o mais utilizado até agora. Certamente, isso se deve a ele atuar também na lateral esquerda. Das 25 partidas que disputou pelo CSA na Série B, começou no banco de reservas em apenas uma: contra o Oeste, pela 9ª rodada.  Antes de chegar no Azulão, Diego passou por Cruzeiro, Vasco e Chapecoense.

CEDRIC

Na goleada sobre o Confiança, por 5 a 1, no Batistão, o técnico Mozart surpreendeu na escalação, com Cedric iniciando a partida na lateral direita. Como resultado, o jogador, que é volante, deu conta do recado e até marcou um golaço. Logo depois, com a atuação, permaneceu na equipe e foi titular contra o Oeste, o Cruzeiro e o Juventude.

Posteriormente, Cedric desfalcou o CSA na rodada passada contra o Vitória. Ele pertence ao clube baiano, com isso, o contrato de empréstimo não permite que o atleta enfrente o Rubro-Negro.

Cedric, de 22 anos, participou de 11 jogos da Série B. Foi titular em seis.

Foto destaque: Reprodução/Francisco Cedrim/RCortez/CSA

Alexandre Vieira
Sou Alexandre Vieira, 31 anos, estudante de Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e apaixonado por esporte, principalmente futebol. Quando moleque, sonhava em ser jogador, porém não tive oportunidade. Daí nasceu a paixão pelo jornalismo e a esperança de assim poder ficar famoso, realizar o sonho de me aproximar de ídolos, estádios e cobrir competições históricas. Tenho um senso de humor gigante e sou legal até quando meu time perde.

Artigos Relacionados