Cruzeiro

O Cruzeiro utilizou as redes sociais para se posicionar sobre a ocorrência envolvendo o zagueiro Réver, do AtléticoMG, e um torcedor mirim celeste no Aeroporto Internacional de Confins, na noite dessa quinta-feira (16). Sem citar o jogador e o rival, mas claramente se referindo ao episódio, a Raposa lamentou e falou em agressão “desprezível e indefensável”.

Agressão contra uma criança, quando confirmada, seja quem for o autor, seja qual for o clube da criança agredida – e obviamente mesmo que nada tenha de relação com futebol – será uma agressão e, portanto, desprezível e indefensável“, postou o Cruzeiro, no Twitter.

Na mesma rede social o diretor de comunicação, Vinicius Lordello, informou que o clube entrou em contato com a família cruzeirense: “Não pretendemos fazer disso um espetáculo porque seu fato gerador é triste. Mas importante vocês saberem que o clube está em contato com a família“, escreveu.

Do mesmo modo, o diretor de Marketing e Inovação do clube, Rodrigo Moreira, também se manifestou e comparou o ocorrido com uma situação vivida pelo presidente Sergio Rodrigues, que teria sido alvo de zoações durante um voô. “No mesmo dia, um atleta e um dirigente são zombados por torcedores no aeroporto. A diferenca é que, enquanto um reage com violência contra UMA CRIANÇA, sob aplausos do seu clube, o outro faz o que se espera e simplesmente ignora.

Entenda a confusão

Acompanhado da família, o defensor do Galo estava no aeroporto aguardando o voô para a capital gaúcha, onde daria início as férias, a princípio marcado para às 22h. Antes do embarque, o jogador foi abordado e assim parou para tirar com um garoto. Segundo testemunhas, no momento do registro o jovem tentou fazer o número seis com as mãos, em referência a goleada de 6 x 1 aplicada pelo Cruzeiro no rival AtléticoMG na última rodada do Brasileirão de 2011. Partida que inclusive Réver estava presente. A partir daí, a confusão tem duas versões.

A 1ª versão dá conta que Réver não ficou satisfeito com o gesto e acabou xingando o garoto. O pai do jovem então foi tirar satisfação, o que acarretou uma briga. Um vídeo gravado por uma pessoa presente no aeroporto mostra o atleta sem camisa, sendo contido no saguão. Logo após, Réver foi encaminhado ao Centro Integrado de Segurança Pública para prestar esclarecimentos. Por orientação do advogado e do departamento jurídico do Atlético o jogador passou por exame de corpo e delito.

Por outro lado, o pai do garoto alega que apenas defendeu seus familiares, pois o jogador teria machucado o dedo do jovem e agredido sua esposa. “O Réver foi tirar foto com o meu filho e meu filho fez um ‘dois' para baixo. Aí ele agrediu meu filho chamando de vagabundo e moleque. Ele enfiou o dedo na cara do meu filho. Fui falar com ele que me respondeu dizendo ‘você também é um vagabundo. Vamos lá fora se você está sentindo a dor do seu filho'. Eu falei: ‘vamos'. Ele avançou na minha esposa e a jogou no chão. Eu fui para cima dele, nós lutamos. Apareceu um atleticano lá e tirou ele. Ele tentou vazar, mas o segurança do aeroporto pegou ele“, afirmou Deibeissom Rodrigues em entrevista a Radio Itatiaia.

Foto destaque: Divulgação/Réver/Instagram

Izabela Avelar
Jovem jornalista mineira, apaixonada por esportes e o turbilhão de sensações que as competições esportivas proporcionam.