Pedro Pedrone Copa do mundo 1930

Pedro Petrone Schiavone, marcou época atuando pela Seleção Uruguaia e pelo Nacional-URU, durante 1923 à 1934. O atacante conhecido como “Perucho”, além de conquistar uma Copa do Mundo em 1930, conquistou duas Copas América e dois ouros olímpicos. Todavia, seu grande marco foi atuando pelos Bolsilludos. O artilheiro de 1,78m, conseguiu a marca de impressionantes 146 gols em 128 partidas com a camisa do clube uruguaio. Além disso, passou pela Fiorentina-ITA e pelo modesto Charley-URU, clube na qual começou sua carreira.

Primeiro título de Pedro Petrone

No ano de 1923, Perucho fez sua estreia no Campeonato Uruguaio. Além disso, impressionava seu faro de gols, mesmo ainda jovem, já o destacava, além de sua grande velocidade. Em seu primeiro jogo como profissional, o atleta marcou incríveis quatro gols e salvou sua equipe do rebaixamento iminente, o Charley-URU.

Após uma excelente campanha em nível pessoal, ele é chamado para defender a Seleção Nacional do Uruguai na Copa América em 1923 . Consequentemente, ajudou a Seleção Uruguaia à conquistar o precioso título, além de ter marcado em todas as partidas da competição.

1924, o ano mais glorioso da carreira do artilheiro

Logo após ter sido consagrado campeão da Copa América no ano anterior, o atleta ganhou reconhecimento nacional de suas habilidades. Dessa forma, foi negociado com o Nacional-URU, uma das maiores equipes do futebol uruguaio. Ao mesmo tempo, foi convocado para participar das e novamente, da Copa América. No fim da temporada, aliás, não deu outra. Ele conquistou as duas competições, além de também conquistar o Campeonato Uruguaio. Definitivamente, que grande ano de Perucho.

A lesão e a conquista do Copa do Mundo 

Em 1925, participou de uma turnê excepcional da Europa com o Nacional-URU, entretanto, sofreu uma lesão no joelho muito grave que, aliás, o manteve fora de campo por mais de um ano.

“Jogamos contra o Barcelona no campo de Cortes e a partida foi difícil. Eu estava um pouco de folga, como numa presunção. De repente, Héctor , em uma boa jogada, jogou a bola para mim; Eu corri e quando o parei já tinha um adversário em mim. Eu concebi um drible para a direita. Naquele dia, eu usava botas de salto alto, enterradas no chão, e quando eu queria girar o pé, prendi-o e, com o esforço, senti uma dor terrível na altura do joelho, o que me forçou a me jogar no chão, causando dor. Sem exagero, direi que a dor era tanta que, se eu tivesse uma arma em mãos, teria desesperadamente recorrido a ela” – Pedro Petrone 

Logo após a confirmação da lesão, surgiram boatos de que o campeão olímpico teria sua perna amputada por sua condição ruim. Caso logo desmentido. Todavia, a recuperação seria dolorosa e demorada. Dessa forma, o atleta só conseguiu voltar aos gramados no dia 1 de agosto de 1925 com o Nacional contra o Uruguai Onward na Copa Héctor Gómez, na qual marcou dois gols na vitória por 4 x 1.
Por fim, sua grande recompensa, à conquista da Copa do Mundo em 1930 no próprio Uruguai, marcou uma grande história de superação do super artilheiro uruguaio.
Foto Destaque: Reprodução / Getty Images
Victor Silva
Jornalismo e futebol, combinação que transcende qualquer limitação. Ajudo e dou minha contribuição para que todos tenham acesso à informação. Tenho 19 anos, residente de São Gonçalo- RJ. Apaixonado por esportes, especialmente futebol e basquete.

Artigos Relacionados