Conheça Jean Carlo Witte, o zagueiro brasileiro com passagem pelo futebol do Japão

- O jogador passou oito anos pelo país nipônico onde foi campeão da copa da J-League
Jean Carlo Witte no Japão

Nesta semana, a coluna Samurais da Bola narra a historia do ex-zagueiro brasileiro Jean Carlo Witte. Com passagem pela seleção canarinha sub-20, o atleta passou oito anos atuando no Japão. Ademais, no país, ele somou mais de 300 jogos e 27 gols. Assim, foi onde ele encerrou a sua carreira como jogador.

INÍCIO DA CARREIRA

Natural de Blumenau-SC, Jean começou sua carreira como jogador profissional no Santos em 1994 com 17 anos. Além disso, o atleta atuou em 136 partidas e marcou seis gols pelo Peixe. Logo, foi vice-campeão brasileiro e conquistou o seu único titulo da carreira no Brasil, a Copa Conmebol de 1998. No entanto, o zagueiro não participou da partida final contra o Rosário Central, na Argentina, porque foi expulso no jogo de ida na Vila Belmiro.

No titulo do Rio-SP de 97, Jean estava fora da equipe santista por estar servindo a seleção brasileira sub-20, sua única passagem pela Amarelinha. Porém, com a chegada de companheiros mais experientes para a sua posição, o jogador foi emprestado para o Bahia no ano 2000. No Tricolor Baiano ele atuou em 38 partidas oficiais, e as suas performances chamaram a atenção de dirigentes do FC Tokyo, do Japão.

https://twitter.com/assophis/status/1309128609404260356

UM NOVO PAÍS

Em 2002, Jean saiu de Salvador com destino ao outro lado do mundo para vestir a camisa do clube nipônico. A sua estreia em terras japonesas ocorreu em março do mesmo ano, quando o clube venceu o Kashima Antlers por 4 x 2. O defensor brasileiro atuou os 90 minutos. Dessa forma, aos poucos ele foi se adaptando ao futebol japonês e se firmou como titular da equipe.

Os anos posteriores foram os melhores da passagem de Jean por terras japonesas. Junto de Teruyuki Mobiwa, formaram uma dupla de defensores de sucesso. Logo, ajudaram o FC Tokyo a ter a menor média de gols sofridos na J-League 2003: foram 31 gols sofridos em 30 partidas. No entanto, a equipe não obteve êxito em nenhum campeonato.

CAMPEÃO NO JAPÃO

Em 2004, o time defendido por Jean participou da copa da J-League. Logo, após fazer uma excelente campanha na fase de grupos, a equipe enfrentou o Gamba Osaka pelas quartas de finais e venceu por 4 x 1, sendo o último gol marcado pelo Jean. Em seguida, enfrentaram o rival Tokyo Verdi buscando uma vaga na final. Assim, novamente o zagueiro brasileiro contribuiu marcando o primeiro gol da partida. Nesse sentido, a equipe do FC Tokyo venceu por 4 x 3, e foi a final.

No dia 3 de novembro de 2004 foi realizada a grande final da Copa. O rival do FC Tokyo foi o Urawa Reds, que chegava à sua terceira final consecutiva. Dessa forma, o time de Jean era o azarão da vez. Para complicar ainda mais, aos 29′, do primeiro tempo, o zagueiro brasileiro chegou forte no compatriota Emerson e foi expulso. No entanto, com um a menos, os companheiros do defensor se doaram e levaram a partida para os pênaltis, onde se sagraram campeões pela primeira vez da copa da J-League.

NOVOS ARES E APOSENTADORIA 

Após quatro anos no FC Tokyo, o zagueiro optou por continuar no Japão e se transferiu para o Shonan Bellmare em 2007, que disputava a segunda divisão do Campeonato Japonês. Desde a sua chegada, Jean foi o capitão e liderou o time por três anos na J2, até que em 2009 o clube conseguiu o acesso para a elite do futebol nipônico. No entanto, o clube do defensor não estava fazendo uma boa campanha, e uma lesão no seu tornozelo o forçou a ter que deixar a equipe.

Depois de oito anos no Japão o jogador voltou ao Brasil e buscou uma oportunidade em alguns clubes. No entanto, a ação foi sem sucesso. Dessa forma, Jean Carlo Witte aposentou as suas chuteiras com 33 anos e passou a atuar como agente de jogadores de futebol.

Foto Destaque: Divulgação/Twitter/Shonan Bellmare

BetWarrior


Poliesportiva


Pedro Lopes
Pedro Lopes
Nasci e cresci em Minas Gerais, e aqui realizo um sonho cursando jornalismo na Universidade Federal de Viçosa. A paixão pela comunicação junto com o esporte me move a buscar um futebol cada dia mais democrático.

    Artigos Relacionados

    Deixe uma resposta

    Topo