Erick Brendon

A coluna Lado B do Futebol, conversou com o jogador carioca Erick Brendon, de 25 anos. Longe do futebol brasileiro, atualmente o atleta está jogando na Suécia na equipe do IFK Värnamo, clube que atua desde 2019. Em nossa conversa, Erick contou um pouco sobre sua trajetória para chegar onde está e como se sente fazendo parte do futebol europeu.

INÍCIO DE CARREIRA

Erick Brendon Pinheiro da Silva, nasceu em 23 de meio de 1995, Rio de Janeiro, Brasil. A primeira equipe em que esteve foi o Vila Olímpica da Mangueira, onde jogava futsal e futebol de campo como lateral. Posteriormente, a partir de um de seus treinadores que tinha um contato no Flamengo, o atleta conseguiu fazer um teste no Rubro Negro e passou. Dessa forma, ele fez parte da equipe carioca por dois anos e meio.

Logo depois, Brendon passou pelo Botafogo, onde ficou por sete anos e foi campeão da série B em 2015, em seguida foi emprestado para o América do Rio Janeiro por quatro meses, depois foi para a Portuguesa RJ jogar por três meses e o último clube que passou no Brasil foi o Barra da Tijuca, em 2018. Sendo assim, por seu bom desempenho na equipe da Tijuca, Erick foi para o futebol sueco jogar no e então passou a atuar como volante.

https://www.instagram.com/p/BtABKNon-44/?utm_source=ig_web_copy_link

ADAPTAÇÃO DE ERICK BRENDON NA SUÉCIA

Erick Brendon chegou na Suécia no ano passado. Contudo, o volante teve dificuldades de se adaptar no país em alguns aspectos. “Ano passado foi mais difícil por causa do frio e a língua também. Mas a gente vai levando e Deus ajudando todos os dias. A amizade que eu tinha com dois brasileiros aqui, isso me ajudou de mais”, comentou o jogador sobre sua chegada ao novo continente.

Entretanto, ele não só precisou se adaptar a um clima diferente do que estava acostumado, como também a um idioma divergente de sua lingua nativa. Além disso, em outra questão que o jogador precisou se afeiçoar foi ao estilo de jogo do futebol sueco que, segundo ele, é diferente do estilo brasileiro de jogar. “O futebol aqui é muito diferente do Brasil. No Brasil o futebol é mais qualidade técnica, aqui é físico e mais corrido”, disse Erick.

https://www.instagram.com/p/BvxJeuYJQZD/?utm_source=ig_web_copy_link

SONHOS E EXPECTATIVAS PARA O FUTURO

Para chegar onde está hoje, Erick Brendon precisou se esforçar muito. Inclusive, para conquistar o sonho de ser jogador de futebol, mesmo muito novo, teve que passar por situações que marcaram sua vida. No entanto, mesmo tendo de enfrentar grandes obstáculos, tudo isso contribuiu para ele seguir em frente em busca de melhores oportunidades dentro de sua profissão.

“Um acontecimento que me marcou muito, é pra eu ir para o Ninho do Urubu eu almoçava dentro do ônibus por causa da distância. Eu saia do Complexo do Alemão para o Irajá, para a escola, e depois da escola eu tinha que ir para o Ninho do Urubu. Por causa da distância, não tinha como parar ou ir em casa, então eu tinha que almoçar dentro do ônibus”, relatou o jogador.

Mesmo afirmando que está vivendo um sonho, que é jogar na Europa, e ser grato pelas coisas que já conquistou. No entanto, o carioca tem planos de voltar a jogar no futebol brasileiro. De acordo com Brendon, seu sonho é  fazer parte de um grande time e então poder disputar campeonatos como a Libertadores e o Brasileirão, ele pensa até mesmo em ser campeão.

https://www.instagram.com/p/CDow0miJNL2/?utm_source=ig_web_copy_link

ATUALMENTE

O volante do IFK Värnamo está atuando na Liga Sueca. Até o momento dessa entrevista, sua equipe está a sete pontos na frente do segundo colocado da tabela do campeonato. Todavia, mesmo sem ter feito gols no torneio ele já contribuiu com três assistências. “Eu tenho o sonho de jogar em uma liga maior, mas estou focado em fazer um bom campeonato, e se Deus quiser uma porta grande vai se abrir”, relatou o jogador com a esperança de ir mais longe.

Foto destaque: Reprodução/Instagram/Erick Brendon

 

Tereza Crescencio
Biografia: Sempre fui uma pessoa muito determinada com o que quero e disposta a aprender. No jornalismo já tive oportunidade de entrevistar várias pessoas, conhecer suas histórias e conta-las. Eu escolhi o jornalismo esportivo por que acho importante que mais mulheres falem sobre o assunto. E eu quero falar sobre isso.

Artigos Relacionados