Ed McIlvenny

Na coluna de hoje o Desbravando o Tio Sam vai falar sobre Ed McIlvenny. O escocês que defendeu a seleção dos Estados Unidos na copa de 50. Não apenas McIlvenny defendeu a seleção norte-americana como também era capitão e teve grande importância no jogo memorável contra a Inglaterra.

Veja também

HISTÓRIA

Edward Joseph McIlvenny nasceu no dia 21 de outubro de 1924 em Renfrewshire, Escócia. Primeiramente, antes de se mudar para os Estados Unidos, ele aprendeu a jogar futebol jovem. Posteriormente, por demonstrar habilidades, foi selecionado para a Scottish Junior League, para fazer um tour pelo norte da Europa. Logo depois, assinou em 1947 assinou com o Wrexham A.F.C, clube galês, que disputava 3ª divisão ao norte da Liga Inglesa de Futebol. Entretanto, só realizou sete partidas, pois em 1949 se mudou para os Estados Unidos para viver com sua irmã.

CARREIRA NOS ESTADOS UNIDOS

Assim que chegou na América, McIlvenny largou o futebol para trabalhar na Indústria. Porém, naquele mesmo ano, novamente se destacou ele se destacou no Philadelphia Nationals da American Soccer League onde conheceu e se juntou ao então capitão da seleção dos Estados Unidos, Walter Bahr. Em junho de 49 foi campeão da liga, além de ser declarado como o melhor jogador da competição, e graças a sua atuação foi convidado a se juntar a seleção dos EUA para a copa de 1950. Mesmo sem ser cidadão americano, ele havia declarado sua intenção de ser um e graças a regra daquele período da Associação de Futebol Americano dos Estados Unidos ele era elegível a defender o país.

THE MIRACLE OF BELO HORIZONTE

Foi assim que ficou conhecida a partida entre Estados Unidos x Inglaterra, na copa do Brasil de 1950, considerada a maior zebra da história do futebol. Naquele jogo que marcaria sua vida, McIlvenny foi o capitão do time, além de ter sido a sua reposição de bola que possibilitou o gol dos EUA. Alguns dos atletas da seleção americana eram estrangeiros, muitos deles eram semi-profissionais e possuíam um 2º emprego além do futebol.

Aquele jogo era valido pela fase de grupos da copa de 1950 e com a Inglaterra favorita naquele jogo, os EUA tinham odds de 500-1. O jogo como era de se esperar foi dominado pelos ingleses e dominaram o 1º tempo da partida. Entretanto, aos 38 minutos, graças a uma reposição de bola de McIlvenny os estados unidos chegou ao gol com Joe Gaetjens, um haitiano. Foi aquele único gol que deu a vitória para eles e que deixou o mundo e os jornais ingleses sem entender. A imprensa inglesa, assumindo uma impressão errada, informou que a Inglaterra venceu 10-1

Posteriormente, em 2005 um filme chamado “The Game of Their Lifes” foi produzido e que conta sobre o jogo em Belo Horizonte. Entretanto, no filme o grande nome dos EUA foi Walter Bahr e Ed recebeu um papel muito menor da realidade. A viúva de McIlvenny, Sheila, teria dito: “É decepcionante, mas o que você espera de Hollywood? … Não é a história verdadeira, de jeito nenhum. Acho que ele teria aceitado, mas acho que não. ele ficaria feliz com isso porque não era a verdade “

Ed McIlvenny nunca chegou a receber a cidadania americana, porém, foi consagrado no Hall da Fama do Futebol Nacional em 1976 e também no Museu do Futebol Escocês.

Ed McIlvenny faleceu em 18 de maio de 1989 aos 64 anos, na cidade Eastbourne, Inglaterra.

Imagem em destaque: Reprodução/BBC

Marcos Sibinel
Olá, me chamo Marcos Sibinel, tenho 23 anos e curso jornalismo na Anhembi Morumbi. Nunca tinha pensado em seguir uma carreira como jornalista, mas foi quando cursava Relações Internacionais que percebi que tinha uma vontade de trabalhar com esportes. Fui então pesquisando sobre o curso de jornalismo esportivo que surgiu um grande interesse, além de amar nosso futebol, tenho vontade também de fazer o outro futebol, o americano, crescer ainda mais aqui no Brasil. Foi então que decidi que queria jornalismo esportivo. Twitter: @masibinel / Instagram: @masibinel

Artigos Relacionados