Com queda de energia, Paraná e Náutico empatam sem gols pela Série B

- Antes da falta de luz, jogo foi bem disputado e com boas chances criadas
Paraná e Náutico empatam sem gols na Vila Capanema (Foto: Divulgação / Paraná Clube Twitter)

Nesta terça-feira (6), Paraná e Náutico entraram em campo em jogo válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. Assim, no Durival Brito, as equipes fizeram uma partida equilibrada com boas chances para cada lado. No entanto, na segunda etapa, com a queda de energia, o confronto esfriou e os clubes não tiveram ímpeto para tirar o placar do zero.

1º TEMPO

As equipes fizeram uma primeira etapa bastante equilibrada e movimentada com boas chances criadas. Apesar de suportar bem a pressão do Paraná, o Náutico foi que teve as primeiras grandes chegadas. Assim, aos 3′, aproveitando erro da defesa mandante, Dudu roubou bola, tocou para Ruy que bateu forte para grande defesa de Alisson. Em seguida, em mais um vacilo da defesa, Dudu roubou mais uma bola no ataque. Kieza aproveitou, chutou para o gol, e Alisson caiu para defender.

Na sequência, o Náutico seguiu pressionando e, aos 22′, Thiago Fernandes chutou forte, Alisson desviou com a ponta dos dedos e evitou o gol do Timbu. Enquanto isso, o Paraná encontrava dificuldades para criar no campo de ataque. Logo, somente a partir dos 33′, os Paranistas cresceram no duelo. Assim, em descida rápida, Paulo Henrique lançou bem para Léo Castro na área, o atacante girou e bateu para defesa de Jefferson, que fechou o ângulo. Já na reta final, Léo Castro cabeceou na pequena área, mas a bola passou do ponto e não encontrou a direção do gol.

2º TEMPO

Na volta do intervalo, as equipes voltaram a se revezarem no campo de ataque. Assim, aos 11′, após escanteio, Gabriel Peres mandou uma bomba para grande defesa de Jefferson. Em seguida, foi a vez do Náutico levar perigo na bicicleta de Camutanga, mas o jogador furou no lance. No entanto, aos 15′, os refletores do Durival Brito apagaram e, somente após quase um hora, a partida teve seu reinício.

Logo, no retorno da bola, o Paraná esboçou uma iniciativa na cabeçada de Jhony Douglas, após falta de Jean, mas a bola foi por cima do gol. Em seguidas, as equipes tentaram produzir, mas as finalização não tinham a qualidade esperada. Assim, na reta final, os Paranistas chegaram com perigo com Bruno Xavier, que girou na frente de Camutanga e bateu em cima do goleiro Jefferson.

E AGORA?

Dessa forma, com o resultado, o Paraná segue na 4ª posição com 23 pontos. Já o Náutico sobe para a 13ª colocação com 15 pontos. Agora, na próxima rodada, o Timbu visita o América-MG, na sexta-feira (9), às 19h15 (horário de Brasília). Enquanto que os Paranistas viajam à Maceió para enfrentar o CSA, no sábado (10), às 18h30 (horário de Brasília).

MELHORES MOMENTOS

Em breve.

Foto Destaque: Divulgação / Paraná Clube Twitter

Ricardo do Amaral

Sobre Ricardo do Amaral

Ricardo do Amaral já escreveu 715 posts nesse site..

"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

BetWarrior


Poliesportiva


Ricardo do Amaral
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

    Artigos Relacionados

    Topo