Colón x Independiente como aconteceu – Resultado, destaques e reação

O Independiente venceu o Colón, pela 11ª rodada da Superliga Argentina. Diga-se, por 3 x 0. Dessa maneira, podemos mencionar que houve um brilho em meio ao caos. Assim, Juan José Serrizuela comandou bem a equipe ontem. Com um simples e eficiente 4-4-2.

Em síntese, é certo de que a equipe teve apenas 41% de posse. Contudo, embora tenha finalizado menos do que o rival, a pontaria melhorou. Isto é, das 14 finalizações, cinco foram em direção ao alvo. Desse modo, fica claro que Graf não estava à altura de uma camisa tão onímoda.

Assista aos melhores momentos de Colón x Independiente

1° tempo: Independiente manda no jogo e faz 2 x 0

Logo aos 11′, o Colón saiu jogando errado pelo meio. Soñora e Fernández pressionaram. A bola sobra para Soñora, que tocou para Fernández. O jogador buscou Batallini, que avançou e bateu de primeira no canto. 1×0! Portanto, a segunda linha do Independiente funcionou. Encurtando respectivos espaços do adversário, a fim de pegar a defesa aberta.

Mais adiante, Benegas encontrou em profundidade Fernández. A saber, pela direita ele formulou drible seco no zagueiro Goltz. Ao passo que cruzou para Benegas. Porém, na pequena área, ele perdeu gol feito. Aliás, com boa intervenção do goleiro Chicco.

O Colón ainda reagiu com um gol de Ábila. Porém, em posição irregular. Inclusive, o 4-1-3-2 do Colón auspiciou linhas distantes. Ou seja, o time forçava muitos lançamentos. E pouco conseguiu. Aos 44′, Soñora bateu falta na área. E, numa cabeçada para o lado, a bola sobrou para Fernández, que chutou de primeira, num lance exímio, e fez 2×0! Em suma, foi um primeiro tempo em que o Independiente encontrara a força hercúlea de sua alma.

2° tempo: Independiente faz mais um e administra o jogo

Aos nove minutos, escanteio para os Rojos. O zagueiro Goltz tentou afastar de cabeça. Entretanto, acabou por proporcionar um passe para Benegas. Aliás, que também de cabeça fez o terceiro. De início, o árbitro invalidou o gol. Todavia, conferindo no VAR, validou.

O Colón era desorganizado. Isto é, finalizava de modo desesperado. Aliás, das 18 finalizações, apenas duas ganharam o caminho do gol. Em resumo, a etapa final foi sonolenta, o jogo já estava consolidado. O Independiente apenas administrou.

Mas, a falta cobrada pelo Colón mereceu um olhar à parte. Já no final, Bernardi bateu falta de longe. E, numa pintura transcendental,  Álvarez operou defesa homérica. Tão impressionante quanto La Cumparsita, famosa música de Gerardo Matos Rodríguez.

Colón x Independiente – E agora?

Após mais de um mês, enfim, o Independiente voltou a ter dia de Independiente. Contudo, agora o clube enfrenta o River Plate, no domingo (7), às 20h30 (Horário de Brasília). Confronto válido pela 12ª rodada da Superliga Argentina.

De todos os treinadores que estiveram à frente do clube, Juan José Serrizuela pareceu o mais qualificado. Pois parece querer adotar variações táticas à equipe, entendendo como inserir de modo consentâneo as peças.

Ademais, consegue fazer o simples, sem necessariamente ser óbvio. Aguardá-lo-emos o que a diretoria estará por decidir. Fato é que hoje o escudo voltou a ser histórico, cintilante. Logo, voltou a ser Independiente.

Foto destaque: Divulgação/Independiente

Daniel Muzitano
Formado em Publicidade pela faculdade Estácio de Sá, pós-graduado em Letras na instituição Veiga de Almeida, contribuiu, lexicograficamente, para o E-Dicionário de Termos Literários (Portugal), é revisor do Colégio Santo Agostinho, fluente em Espanhol, e, ainda hodiernamente, revisa teses de mestrado e de doutorado, dedica-se à área de etimologia e é colunista do Futebol na Veia, possuindo conhecimento amplo na ramificação do futebol.

Deixe um comentário