Butragueño

A Coluna Papo Azteca desta semana traz a história de um dos maiores astros do futebol espanhol, que teve o último capítulo de sua carreira escrito no México. Quando foi para o modesto Atlético Celaya Fútbol Club. Estamos falando do El Buitre, Emilio Butragueño. Desse modo, Emilio Butragueño Santos, nasceu em 22 de julho de 1963, na cidade de Madrid, capital espanhola. Sendo assim, o atacante iniciou sua trajetória no futebol no time B do Real Madrid, o Real Madrid Castilla em 1982.

Posteriormente subiu para a equipe de cima dos Merengues, onde fez história, se consagrando como um dos maiores ídolos do Real e do futebol espanhol. Ainda assim, é um dos 10 maiores artilheiros dos Madrileños.

Por conseguinte, no período de 1982 a 1995, El Buitre conquistou 16 títulos, tanto no Castilla, quanto no Real Madrid. Dessa forma, levantou as taças da Segunda Divisão Espanhola (1983-1984); Copa da UEFA (1984-1985; 1985-1986); Campeonato Espanhol (1985-1986; 1986-1987; 1987-1988; 1988-1989; 1989-1990 e 1994-1995). Além disso, disputou duas Copas do Mundo pela Espanha, de 1986 no México e 1990 na Itália. Ainda assim, falando do mundial de 86, o atacante entrou para história das Copas. Ao marcar quatro gols na goleada da Fúria por 5 x 1, sobre a Dinamarca, apelidada de Dinamáquina  na ocasião, na fase de oitavas de final.

BUTRAGUEÑO E HUGO SÁNCHEZ: A PRIMEIRA RELAÇÃO COM O MÉXICO

Butragueño já estava há dois anos no time principal do Real Madrid. Quando em 1985, o clube anunciava a contratação daquele que seria um de seus maiores ídolos. A lendária estrela mexicana vinda do rival, Atlético de Madrid, Hugo Sánchez. Além de El Buitre, juntou-se a outros grandes jogadores formados pelos Blancos. Tais como José Antônio Camacho, Rafael Gordillo, Rafael Martín Vázquez, Jorge Valdano e Bernd Schuster.

Assim, Hugo foi o goleador daquela equipe, que ficou conhecida com Quinta del Biltre e se sagrou pentacampeã do Campeonato Espanhol, entre 1986-1990. Nesse sentido, junto com o resto do elenco, Butragueño e Hugo Sánchez mostraram um grande entrosamento no ataque Madrileño, visto que os aparecem na lista de maiores artilheiros do Real. Emilio Butragueño está na 10ª colocação, com 171 gols marcados e Hugo Sánchez em 7º lugar, guardando 208 bolas.

CHEGADA DE BUTRAGUEÑO NO CELAYA EM 1995

Em 1995, o pequeno clube da cidade de Celaya, no estado de Guanajuato, localizada a 60 km da Cidade do México, capital mexicana. Nasceu através da compra de um clube que foi vice-campeão da segunda divisão, o Atlético Cuernavaca. Assim, conquistou o direito de disputar a divisão principal do México, na temporada 1995-1996. Dessa forma, o time adotou o nome de Atlético Celaya. O então presidente, Enrique Fernandez, sonhava com o time disputando a primeira divisão e disputando o título nacional com as grandes equipes do país.

Dessa maneira, o novo e ambicioso clube mexicano resolveu investir pesado no elenco.  Em seguida, a equipe anunciou direto da Espanha, seu principal reforço para aquela temporada. O atacante espanhol, ídolo do Real Madrid e da Seleção Espanhola, Emilio Butragueño.

Logo na primeira temporada, a contratação se mostrou um sucesso. El Buitre correspondeu às expectativas, fez 17 gols e deu oito assistências naquela temporada. Assim, ajudando o Celaya chegar á final do certame na temporada 1995-1996. Entretanto, perdeu para o Necaxa na final.

GALÁTICOS DE CELAYA

Empolgado com o sucesso da temporada passada, o presidente Enrique Fernandez resolveu contratar outras estrelas do futebol espanhol. Assim, para a temporada 1996-1997, o Celaya apresentou mais dois jogadores que passaram pelo Real Madrid. O espanhol Míchel e a estrela mexicana Hugo Sánchez, ambos ex-companheiros de Butragueño no Real Madrid.

Chegaram para colocar a equipe mais uma vez entre os melhores do Campeonato Mexicano. Ficaram conhecidos como os Galácticos de Celaya. No entanto, El Buitre teve seu pior desempenho em 1996-1997, anotando apenas dois gols, mesmo com Sánchez e Míchel no elenco. Posteriormente, no seu terceiro defendendo a camisa do Celaya, conseguiu se recuperar ao marcar 10 gols, na temporada 1997-1998.

FIM DE CARREIRA

Todavia, a equipe do estado de Guantajano, não repetiu o bom desempenho de sua temporada de estreia na Primeira Divisão. Por consequência, a família Fernandez teve que vender que o clube por conta de problemas financeiros e acumulo de dívidas, que fizeram o então Atlético Celaya ser extinto. Nesse meio tempo, Emilio Butragueño encerrou sua carreira na equipe mexicana com 35 anos de idade.

Em junho de 2020, 22 anos após sua aposentadoria, El Biutre, atualmente dirigente do Real Madrid. Relatou em entrevista ao Jornal Marca, que pensou em ir jogar no futebol japonês e quando recebeu o contato de um clube mexicano, pensou que fosse algum dos grandes times:

Naquela época eu não tinha celular e o Celaya entrou em contato com o Real Madrid, me falaram que um time mexicano estava me chamando, pensei no América ou no Cruz Azul e de repente me falaram que era o Celaya, não sabia nada do Celaya”(…) “Eu não sabia nada sobre a Celaya, mas foi uma aventura maravilhosa”.

Depois ressaltou a importância de Hugo Sánchez no elenco da equipe:

O Hugo (Sánchez) deu-nos muito durante o ano, era um homem com muita experiência, estava habituado a pressionar”.

Foto Destaque: Reprodução/Marca/AP

Amaury Ferreira
Escolhi o Jornalismo como profissão, porque desde a minha infância sempre fui fascinado pelos âncoras de telejornais e pelas transmissões esportivas no rádio e na televisão, a relação com meu time do coração também influenciou na minha escolha. Sou uma pessoa bem tranquila, mas que quando acredito em alguma coisa, sempre tento buscar correr atrás.

Artigos Relacionados