Brasil x Uruguai

Nesta terça-feira (4), a Coluna Marcas da Copa relembra um dos jogos mais simbólicos da história da Seleção Brasileira. O confronto era entre Brasil x Uruguai, mas dessa vez não ocorreu uma tragedia, como em 1950. O dia era 19 de setembro de 1993, e se fosse nos tempos atuais, seria o ‘Romárioday‘. O Baixinho, em meio de muitas polêmicas, voltou a ser convocado e decidiu o confronto com dois gols. Portanto, as 101.670 pessoas no Maracaña viram o show do camisa 11.

ROMÁRIO FORA DE QUASE TODA A ELIMINATÓRIA

O Baixinho era o principal brasileiro em atividade, mas tinha problemas com Carlos Alberto Parreira. O atacante não aceitou a reserva em um jogo amistoso e isso não agradou o treinador. Assim, o jogador ficou de fora de quase toda Copa América. Romário seguia jogando “por música” em Barcelona, no entanto o comandante da Seleção seguia barrando o craque. Até que a “água chegou no pescoço” do Parreira.

A Seleção Brasileira chegava ao último jogo, contra o Uruguai, no Maracaña. O time precisa pelo menos empatar para se classificar. Além disso, o Uruguai também estava na briga para se classificar para a Copa do Mundo. Assim, Parreira deixou o orgulho de lado e chamou Romário para o jogo da vida. O Baixinho contou em entrevista ao Esporte Espetacular, anos depois do grande jogo, que seu treinador Johan Cruiff disse, 20 dias antes da convocação, que ele estaria no time. Ainda completou dizendo: “… eles só são idiotas e imbecis até um determinado momento”. O resto é história.

OS CRAQUES BRASILEIROS GOSTAM DA ADVERSIDADE

O Brasil estava correndo sérios riscos de não se classificar para a Copa do Mundo de 1994. A torcida e toda imprensa pressionavam a Seleção para vencer. Depois de muito tempo, o esquadrão verde-amarelo era visto como um time sem brilho e fora dos favoritos a vencer o Mundial. Todavia, os brasileiros gostam de jogar sobre pressão, principalmente os craques.

Romário sempre foi um jogador muito confiante e falava o que pensava. O craque contou em entrevista a Globo, que prometeu para o grupo dois gols. Como resultado, o camisa 11 falou e cumpriu. A nação glorificou o Baixinho, no Romárioday. O dono da pequena área, em seu “Dia do Fico”, salvou o Brasil de um grande desastre.

Brasil x Uruguai
Reprodução/ Sportv

A BOLA ROLA NO MARACA

Após muita espera, finalmente o jogo começou. Os mais de 100 mil no Maracaña e os outros 146 milhões de brasileiros viveriam 90 minutos de muita apreensão. O Brasil começou pressionando e buscando o gol a todo momento. Romário estava louco para marca e vinha criando chances perigosas. No começo da partida, o camisa 11 tabelou com Raí, saiu frente a frente com o goleiro, no entanto chutou a bola no travessão.

O Maraca sentia que o momento estava favorável e seguia apoiando a equipe. O Rei da pequena área não dava sossego para a defesa uruguaia. Momentos depois da bola na trave, o atacante recebeu um bom cruzamento de Jorginho e parou em Soboldi. Bebeto tentou aproveitar o rebote, mas foi bloqueado. Aos 22′, o craque deu uma caneta no defensor uruguaio, invadiu a área, porém finalizou para fora. No fim da 1ª etapa, o fiel parceiro do baixinho aproveitou o rebote e finalizou muito bem de perna esquerda. Entretanto, parou no goleiro uruguaio.

CHEGA DE DRAMA, O ROMÁRIO ESTÁ ON

A 2ª etapa seguiu da mesma forma, só dava Brasil. O camisa 11 tabelou novamente com Raí e parou no goleiro uruguaio novamente. O gol estava cada mais maduro. Pelé, comentarista da Globo na partida, vinha alertando todo o jogo o quanto Romário desequilibrava e era diferenciado. Até que aos 27′, Bebeto recebeu um passe de jorginho. O camisa 7 cruzou na cabeça do baixinho, que dessa vez não desperdiçou. O Maracaña veio abaixo.

O gol foi muito merecido, porque o Brasil fazia um jogo muito melhor que o adversário. A Seleção estava com a vantagem no placar, no entanto não deixou de atacar. Logo na sequência do gol, o baixinho roubou a bola na área. Entretanto, acabou tirando muito do goleiro. Aos 37′, Mauro Silva roubou a bola no meio do campo e serviu Romário. O craque saiu frente a frente com o goleiro e, com muita calma, o driblou para marca o segundo. Esse gol é um dos mais marcantes do camisa 11.

Brasil x Uruguai
Reprodução/ Agência Estado

BRASIL NA COPA

O Brasil estava preste a ficar de fora da maior competição do Mundo, mas tinham um jogador que não deixou isso acontecer. Romário era pedido por toda nação, porque era o melhor brasileiro da atualidade. Além disso, vinha jogando muita bola no Barcelona. No fim das contas, Parreira deixou o orgulho de lado e convocou novamente o Rei da pequena área, que abraçou a oportunidade. O craque seria o principal destaque, junto com Bebeto, da conquista do sonhado Tetra.

Foto Destaque: Reprodução/ CBF

Avatar
Leonardo Pinheiro
Escolhi jornalismo porque para mim é prazeroso informar as pessoas, e além disso, a paixão pelo futebol me encorajou a seguir essa carreira. Meu principalmente objetivo na profissão é trabalhar com esportes, principalmente o futebol.

Deixe uma resposta