Brasil brilha na Copa América e CBF promete investimentos

Não há páreo para a Seleção Brasileira no futebol feminino na América do Sul. No último sábado (30), o Brasil conquistou o título da Copa América 2022, e fez história no torneio. Assim, as comandadas por Pia Sundhage venceram a competição com 100 % de aproveitamento e garantiram as vagas para a Copa do Mundo 2023 e para as Olimpíadas de Paris 2024.

De início, o Brasil passou por todas as adversárias. Desse modo, com campanha brilhante, venceu Argentina, Peru e Venezuela na fase de grupos. Bem como o Paraguai, na semifinal. Enfim, levantou a taça de forma invicta, após superar a anfitriã Colômbia, na final. Debinha assumiu o protagonismo na final, ao marcar o único gol, de pênalti. A conquista levou ao oitavo título em nove edições disputadas no torneio.

Além do mais, o título marcou o êxito de uma nova geração da Seleção Canarinho. O ataque brasileiro foi incrível, ao marcar 20 gols, em seis jogos. A saber, Adriana e Debinha dividiram a artilharia da equipe, com cinco gols marcados.

Assim também, o setor defensivo demonstrou solidez. Visto que não sofreu gols. Reflexo disso foi recompensado para Lorena, que recebeu o prêmio de melhor goleira da Copa América. Contudo, a competição proporcionou algumas outras marcas à jogadoras. A atacante Bia Zaneratto, por exemplo, alcançou o 100º jogo pelo Brasil.

Sucesso da seleção reflete fora das quatro linhas

A princípio, após acompanhar à final da Seleção Brasileira, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol – CBF, Ednaldo Rodrigues, reafirmou o compromisso da entidade para fortalecer o futebol feminino:

“O futebol feminino é uma das prioridades da CBF e a maior oportunidade de crescimento do futebol nos dias de hoje. A CBF já identificou um potencial inexplorado no futebol feminino e vamos ter uma série de programas para incluir cada vez mais as mulheres no esporte.”, assegurou Rodrigues, em entrevista ao GE.

Com isso, o presidente almeja criar espaço para a formação de novas atletas. Bem como a formação de treinadores e dirigentes.

“A nossa meta em 2023 é exatamente aumentar mais ainda o futebol feminino. Há locais ainda inexplorados no futebol feminino e nós vamos ter que em um trabalho conjunto com as federações estaduais exatamente promover competições que tenham base 15, 17, 19 para uma renovação. Esse é o nosso trabalho. E cada vez mais não só investido para a formação de atletas, mas para formação também de treinadores, supervisoras e toda cadeia produtiva do futebol feminino para que possa realmente dar uma alavancada.”, afirmou o presidente.

Brasil x Inglaterra: Finalíssima feminina

Por fim, o Brasil irá enfrentar a Inglaterra, campeã da Eurocopa. A saber, ambas equipes venceram no último final de semana. Desse modo, após derrotar a Alemanha, por 2 x 1, após prorrogação, e ganhou o primeiro título da competição. Agora, a Finalíssima será disputada na Europa. No entanto, a data e o local do duelo ainda serão definidos.

Foto destaque: Raul Arboleda/AFP

Aliny Bueno
Prazer! Eu sou formada em jornalismo e a área esportiva é uma com a qual mais me identifico. A paixão pelo esporte, em especial o futebol, surgiu ainda quando criança. Trabalhar com isso me traz satisfação. Evoluir a cada dia dentro do jornalismo é o objetivo principal para obter uma carreira de sucesso.

Deixe um comentário