Botafogo tem R$ 68 milhões em dívida com pessoas físicas

Antes de mais nada, o Botafogo publicou, na última sexta-feira (30), seu balanço financeiro de 2020. Então, teve um déficit de R$139 milhões (seis vezes maior do que o registrado em 2019). Além disso, a dívida do Glorioso é superior a R$1 bilhão. Contudo, dentro desta dívida bilionária, o Alvinegro registra R$68 milhões em dívidas com pessoas físicas. Este valor diminuiu quase R$17 milhões em relação a 2019, todavia, continua alta.

De onde vem esta dívida?

Em suma, esta dívida vem, principalmente, de empréstimos com a justificativa de conseguir capital de giro. Contudo, há casos em que o dinheiro foi utilizado para adquirir direitos econômicos de jogadores. Ou até mesmo para aquisição do Espaço Lonier, em Jacarepaguá, onde será o novo CT do Botafogo.

A maior parte da pendência é com os irmãos Moreira Salles, no qual têm R$50,6 milhões a receber. Eles injetaram dinheiro no Glorioso a espera de um retorno com o projeto do Botafogo S/AContudo, o projeto acabou não dando certo no primeiro momento e os irmãos abandonaram o barco.

Além disso, a segunda maior quantia devida para pessoa física, é o que o Botafogo deve ao empresário Marcus Vinícius Secundino. Então, a quantia total é de R$6,8 milhões. Este empréstimo gerou muitas suspeitas, ainda na gestão de Maurício Assumpção, já que não se sabe pra onde foram estes R$3 milhões que foram pegos emprestados, e nem de onde surgiu este empresário.

O clube ainda tem dívidas de menor expressão, contudo, juntas somam uma grande quantia para o Alvinegro. Destaques para figuras importantes da política botafoguense, como Claudio Good e Manoel Renha, ex-integrantes do comitê de futebol. Luiz Felipe Novis, ex-vice financeiro, também está presente. Entretanto, a que mais chama a atenção é o atual presidente do Botafogo, Durcesio Mello.

Contudo, em meio a várias noticias ruins, um alívio para a diretoria alvinegra. O Glorioso conseguiu quitar duas dívidas que tinha com pessoas físicas em 2020. A primeira, de R$8,6 milhões, com o empresário Giuliano Bertolucci. Já a segunda, de R$8,2 milhões, foi perdoada pelo ex-presidente Carlos Augusto Montenegro.

Direitos econômicos e negociações do Botafogo

Além disso, o balanço das contas de 2020 revelou a porcentagem que o Botafogo tem sobre seus atletas, além do percentual ganho em vendas de jogadores. Em relação aos direitos econômicos, o mais notório ficou por parte da joia da base, Matheus Nascimento. O Glorioso tem direito a 60% dos direitos do atleta. Em acordo firmado com os pais de Matheus, os outros 40% ficaram com a família e uma empresa ligada a eles.

Todavia, foi feito um negócio parecido com outra joia da base que assinou contrato profissional de forma recente, Kauê. Só que desta vez, o Botafogo tem direito a 90% dos direitos. Além deles, o mesmo foi feito com Caio Alexandre (que já deixou o clube) e o zagueiro Kanu.

Com relação a negociações, o Botafogo gastou R$5,5 milhões para contratar jogadores em 2020. Deste total, R$3,3 milhões não vieram para os cofres do clube, já que foram entregues em forma de comissão para empresários de jogadores. Contudo, o Botafogo lucrou R$44 milhões em vendas de atletas. A maior venda foi a do meia Luis Henrique para o Olympique de Marselha por R$24,8 milhões.

Foto Destaque: Reprodução/GE

Avatar
João Victor Freire
Eu escolhi o jornalismo pois é o que eu sei fazer desde criança. Trabalhar com jornalismo esportivo é um sonho que se realiza a partir de agora.

Deixe uma resposta