O Grêmio recusou uma proposta de R$ 198 milhões pelo atacante Everton. Segundo o jornal Correio do Povo e o GloboEsporte.com, o Beijing Guoan, da China, foi a equipe responsável pela oferta. Inicialmente, o time de Renato Augusto pagaria 5,5 milhões de euros à vista para contar com o Cebolinha por empréstimo até o final do ano. Posteriormente, em janeiro, a equipe pagaria os 39,5 milhões restantes, totalizando 45 milhões de euros. O Tricolor Gaúcho nega ter recebido uma procura oficial.

Beijing Guoan, Arsenal, Milan…algum é o destino de Everton?

Ainda mais, sobre a proposta do time de Pequim, a mesma teria sido apresentada ao Grêmio através do empresário Fábio Britto. Após analisar, o Tricolor recusou o valor inicial e contrapropôs o valor de 60 milhões de euros (aproximadamente  R$ 264,6 milhões). A resposta teria sido enviada um dia antes da janela chinesa fechar. Assim, com o prazo apertado, os chineses não deram andamento ao negócio. A imprensa ainda diz que os salário do jogador seria de R$ 35,28 milhões anuais.

Inicialmente, a proposta não agradou Everton, que deseja atuar em solo europeu. Mas toda a parte financeira pesou e mudou a ideia do atacante. Contudo, a diretoria seguiu negando. A equipe gaúcha tem 50% dos direitos do Cebolinha, sendo o restante do empresário Gilmar Veloz (30%) , do Fortaleza (10%) e do investidor Celso Rigo (10%).

Antes especulado no Arsenal e no Milan, o jogador não vem recebendo as propostas desejadas. O time inglês chegou a ensaiar uma oferta pelo mesmo valor dos chineses, porém, o Grêmio quer mais. Nos últimos dias, os Gunners fecharam com o marfinense Pepe, o que deixa as coisas esfriarem. Sendo assim, o fato é que os europeus ainda não estão decididos a gastar tanto pelo atual campeão da América com a seleção, e a novela Everton ainda deve ganhar mais alguns capítulos até seu desfecho.

https://twitter.com/SoccerGremio/status/1155991334424940562

Avatar
Leonardo Abrahão
Leonardo Abrahão, 20 anos, paulistano e estudante de jornalismo na Universidade Nove de Julho. Redator do Futebol na Veia desde 2019, cobrindo futebol italiano, asiático e brasileiro.

Artigos Relacionados