Bebeto, da bola à política

- Consagrado boleiro de Seleção Brasileira, Bebeto entrou para a política

Consagrado boleiro de Seleção Brasileira, Bebeto abria entrevista citando “ouvintes meus cumprimentos”. Ao manter a notoriedade como deputado estadual do Rio de Janeiro, desde de 1º de fevereiro de 2011, se habituou a chamar políticos da casa de vossa excelência ou nobre parlamentar.

Naquela casa de leis, José Roberto Gama de Oliveira – que integra a bancada do PDT – apresentou projeto de implementação de resgate de meninos de rua de seis a 16 anos de idade, um prolongamento do Instituto Bola Para Frente, criado em 2000. À época, lateral Jorginho e volante Dunga, companheiros de seleção, integravam a parceria.

Atacante veloz, hábil e oportunista para enfrentar goleiros, Bebeto marcou época em duas passagens por Flamengo e Vasco, e contratos com Botafogo do Rio de Janeiro e Cruzeiro. Na Seleção Brasileira, se orgulha de ter participado da conquista do tetracampeão mundial em 1994, nos Estados Unidos. À época, comemorou gol diante da Holanda com coreografia embala-neném, uma homenagem ao filho Matheus, recém-nascido.

Baiano de Salvador, Bebeto não tinha projeto de ingresso imediato na vida pública. A prioridade era ‘decolar’ na carreira de treinador de futebol, e o primeiro degrau da escala foi no América (RJ), através da oportunidade dada pelo então coordenador técnico Romário, hoje Senador da República (RJ). Os resultados de jogos não foram satisfatórios, ele acabou demitido, e aí se explica o desafio de disputar eleição legislativa.

A aparição dele no futebol deu-se no Vitória (BA) em 1983, onde retornou em 1997, patrocinado pelo Banco Excel-Econômico. A transferência ao Flamengo, pouco depois da profissionalização, deu-lhe visibilidade nacional e os títulos do carioca em 1986 e da Copa União em 1988. Na ocasião já havia se especializado em marcar gols de voleio.

A saída para jogar no rival Vasco em 1989 criou mal-estar entre flamenguista, e isso foi perceptível na segunda passagem pela Gávea, em 1996. Na primeira passagem como vascaíno, ganhou o Brasileirão logo de cara, e Campeonato Carioca em 1992, ano em que se transferiu à Espanha para jogar no La Coruña e Sevilla. Lá ficou durante três temporadas, e posteriormente jogou ainda no Toros Neza do México, Kashima Antlers do Japão e Al-Ittihad da Arábia Saudita, quando, em 2002, encerrou a carreira aos 38 anos de idade.

Ariovaldo Izac

Sobre Ariovaldo Izac

Ariovaldo Izac já escreveu 52 posts nesse site..

O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

BetWarrior


Poliesportiva


Ariovaldo Izac
Ariovaldo Izac
O portal Futebol na Veia passa a inserir em sua grade de conteúdos a coluna de futebol Reminiscências assinada pelo jornalista Ariovaldo Izac, com 38 anos de militância no jornalismo. O foco é abordagem sobre jogadores do passado, principalmente aqueles que mais se destacaram.

    Artigos Relacionados

    Topo