Encerrando a 36ª rodada do Brasileirão 2018, Bahia e Fluminense se enfrentam nesta quinta-feira (22), a partir das 21h (horário de Brasília), na Arena Fonte Nova, em Salvador. Após ser derrotada pelo Atlético-MG na última rodada, equipe mandante, sem correr riscos de ser rebaixado, precisa da vitória para garantir permanência entre os 12 clubes com passagem direta à Sul-Americana de 2019. Seu adversário, duas posições abaixo na tabela (13º), também briga pelo mesmo ideal nesta reta final do Campeonato Brasileiro.

BAHIA

Após o tropeço da última rodada contra o Atlético-MG, que mesmo com um jogador a mais foi derrotado por 1 x 0 fora de casa, a equipe do técnico Enderson Moreira tem esperança de conseguir se classificar para a Sul-Americana do ano que vem se se manter entre os 12 primeiros da tabela.

Após conseguir se safar de vez do rebaixamento, o Tricolor de Aço  ocupa atualmente o 11º lugar com 44 pontos, porém vem de uma sequência de cinco jogos sem vencer e entra em campo contra o Fluminense para se redimir desse jejum em seus domínios.

Para a partida de amanhã não há jogadores suspensos, mas 10 estão pendurados: Clayton, Douglas, Everson, Flávio, Gilberto, Gregore, Léo, Marco Antônio, Ramires e Élber. Além disso, dois seguem em recuperação e são os desfalques da equipe: Marco Antônio e Nino Paraíba. Por outro lado, o meia Zé Rafael e o zagueiro Douglas Grolli voltam à equipe após serem poupados por desgaste físico na última rodada, Lucas Fonseca também retorna à zaga após cumprir suspensão, assim como Elton, mas é possível que fique no banco. Destaque para o atacante Gilberto, titular absoluto antes de se machucar, está de volta e pronto para retomar seu posto:

“Acho que o departamento médico do Bahia foi extremamente competente. Claro, eu estava triste em casa, chateado com a situação. Ficar fora de jogos importantes para o elenco, o grupo, no momento em que eu vivia poderia ajudar bastante. Acontece. Coisas de Deus na vida da gente. A gente está com outras coisas em mente, vamos tentar de todo o modo o que é mais importante.”

Edigar Junio e Junior Brumado também brigam pela mesma posição, mas com a recuperação da lesão no joelho, Gilberto tem mais chances de ser aproveitado desde o início da partida. Sobre o adversário carioca, fez uma avaliação pessoal:

“É um time bom, no meu ponto de vista é competitivo, tem boas peças. Tem um excelente treinador também. Vários momentos estiveram à frente da gente. Hoje estamos na frente e pretendemos continuar na frente. Respeitando sempre, é claro. Mas temos que procurar fazer nosso melhor, conseguir o que a gente almeja nesse final de campeonato.”

Provável Escalação: Douglas; Bruno, Douglas Groli, Lucas Fonseca e Léo; Gregore e Nilton; Élber, Ramires e Zé Rafael; Edigar Junio. Técnico: Ederson Moreira.

FLUMINENSE

Vindo de empate sem gols na última rodada contra o Ceará no Maracanã, o Tricolor Carioca entra em campo sem grandes baixas para o confronto contra o Bahia, já sem contar os desfalques que vêm ocorrendo na equipe com frequência devido à lesões. Sem Richard e Airton, a opção para fazer dupla de volante com Dodi é Jadson, que retorna após suspensão, ou também Fernando Neto e Mateus Norton. No lugar do lateral-direito Léo, Igor Julião é quem segue na lateral-direita

Marcelo Oliveira teve pouco tempo de um jogo para o outro, mas avaliou possibilidades táticas em Salvador: manter dois zagueiros ou jogar com três defensores, alternando as posições do meio e ataque como vem feito. Sem o zagueiro Ibañez, é provável que mantenha o esquema 4-3-3.

Provável Escalação: úlio César, Igor Julião (Léo), Gum, Digão e Ayrton Lucas; Jadson, Dodi e Sornoza; Cabezas, Luciano e Everaldo. Técnico: Marcelo Oliveira.

RETROSPECTO

No primeiro turno do Brasileirão, no Maracanã, as equipes empataram por 1 x 1. Dos 40 encontros no campeonato, a equipe carioca leva vantagem com 18 vitórias contra apenas sete da bahiana, mais 15 empates restantes.

Beatriz do Vale
Comunicativa desde pequena, graduada em Rádio e TV e também em Jornalismo pela FIAM, e pós-graduada pela Cásper Líbero. Tudo o que envolva pesquisa, escrita, locução, entrevista e criação, busco me aprimorar e fazer o melhor. Futebol na Veia surgiu sem qualquer pretensão e, hoje, me proporciona uma verdadeira imersão neste mundo esportivo, com ensinamentos pessoais e profissionais a cada dia. Sou paulistana, 30 anos, não sou parente do Luciano, mas vou experimentando...

Artigos Relacionados