Rafael Menin fala sobre dívidas, Diamond Mall e SAF no Atlético-MG

Na noite da última sexta-feira (15), o portal “Fala Galo”, em seu canal no YouTube, entrevistou o vice-presidente do Conselho Deliberativo do Atlético-MG, e um dos grande apoiadores do clube, Rafael Menin.

Dentre os diversos assuntos abordados, alguns chamaram bastante a atenção, como por exemplo, uma possível transformação do clube em SAF (Sociedade Anônima do Futebol), a dívida bilionárias do Atlético-MG, como o próprio entrevistado confirmou, que já ultrapassou o valor de R$1,2 bi, venda do Diamond Mall entre outras coisas.

Rafael Menin começou sendo questionado do porquê a divida alvinegra não ter diminuído em 2021, mesmo o clube tendo o ano mais vitorioso e rentável da sua história:

“O Galo tem dois aspectos para a gente colocar na conta. O primeiro foi o investimento em atletas que fizemos em 2019 e 2020. Em 2021 foi menos. O segundo ponto são os juros. Só no ano passado nós gastamos R$80 mi com juros. Se não existisse estes R$80 milhões em juros, nós teríamos diminuído a dívida em R$80 milhões. Se nós tivéssemos um elenco bom a mais tempo, não existiria a necessidade de ter se investido mais de R$200 milhões. O somatório da reconstrução do elenco, com os juros, deste monte de passivo do passado, fica realmente difícil da gente diminuir a dívida”.

Rafael Menin fala sobre dívidas, Diamond Mall e SAF no Galo
Rafael Menin fala sobre dívidas, Diamond Mall e SAF no Atlético-MG

Menin ainda completou, dando uma possível solução para o Atlético começar a diminuir a dívida que tem:

“O Galo tem na mão o Diamond Mall. São 50% do Diamond Mall, que a gente acha que, com a venda, poderemos fazer uma boa renegociação das dívidas, já que com o dinheiro na mão a gente consegue renegociar, não com os bancos, porquê a dívida bancária do Galo que existe, a garantia não é do clube, então essa dívida não existe negociação com os bancos. Mas, as dívidas trabalhistas, com fornecedor, a gente consegue transformar o montante em um montante menor, quando se tem um fluxo de caixa com dinheiro ali na mão. Então a gente acha que com a venda do Diamond, o dinheiro que você recebe, mais a renegociação, a dívida cai por volta de R$400 milhões. Só que, você deixa de incorrer, em torno de R$40 a R$50 milhões de juros”.

Rafael respondeu sobre o parecer da empresa Ernest Young, falando da possibilidade da venda do shopping:

“Pela Ernest Young, a venda teria acontecido no ano passado. Mas precisamos criar um clima político, como um bom mineiro, conversar com um, com outro”.

O vice-presidente do Conselho Deliberativo atleticano ainda foi mais explicativo sobre as dívidas, fluxo de caixa, receitas e montagem de elenco:

“Esse ano, será melhor! Teremos ainda a Arena no ano que vem. Uma receita de R$600 a R$650 milhões poderá ser uma receita recorrente do Galo. Assim, dá pra gente manter um elenco muito forte. O Atlético tem uma situação um pouco diferente de clubes como o Palmeiras, que está relacionada ao que foi adiantada de fluxo futuro. Então, o Galo tem parte do seu fluxo já comprometido até 2024. Esse ano, a gente perde algo perto de R$50 milhões, que a gente deixa de arrecadar, além de um passivo que já vem de muito tempo, uma dívida muito grande. Só de PROFUT, que consideramos até uma dívida “boa”, pois ela é a longo prazo, o Galo deve R$300 milhões. Ela é todo ano corrigida através da taxa SELIC (12% ao ano)”.

Para finalizar, Rafael deu sua opinião sobre as vantagens de uma possível SAF no Atlético-MG:

“Se empresa fosse solução, qualquer empresa que tivesse CNPJ daria certo. Isso vale para loja no centro da cidade, vale para construtora, vale para tudo. Tem empresa que dá certo e tem empresa que não da certo. O clube deve é ser bem gerido seja ele uma SAF ou não! Estamos buscando implementar ferramentas gerenciais de empresas de alto nível dentro do clube. Esse ponto é muito importante. A SAF tem uma vantagem, que, feita de forma planejada com volume de recurso adequado, você pode acelerar um processo de domínio esportivo e você pode assegurar que o clube não dê “um cavalo de pau” e volte a fazer coisas erradas. Acho que o Galo hoje é gerido de forma muito parecida de como seria uma SAF. Na SAF o aspecto político começa a influenciar muito menos no clube”.

Foto destaque: Reprodução / MoohBH

André Merice
A sensação de poder transmitir uma sentimento à cada leitor é o que me move. Ainda assim, sou somente mais louco apaixonado por futebol, que fez da escrita e do esporte a sua vida!