Atlético-MG: Cuca revela dramas de 2021

O ano de 2021 para o Atlético-MG foi perfeito. Títulos, títulos e mais títulos. Tabus e recordes foram quebrados, algo que não acontecia há muito tempo no lado atleticano. Entretanto, para Cuca, esta temporada não foi somente de glórias mas também de muito sofrimento.

Apesar da “Tríplice Coroa” ou “Triplete“, como preferirem, o treinador revelou que viveu um drama pessoal. A princípio, ele mesmo foi internado por Covid. Em seguida, viu sua mãe, Nilde, passar 70 dias na UTI. Superaram o caos.

“Eu estou cansado. Vou falar para você. Foi um ano… Passei 10 dias no hospital, seis dias na unidade clínica geral. Dali a pouco vi minha mãe ali. Perdi meu sogro aqui dentro de casa. Foi um ano atípico, difícil em todos os sentidos. Jogar sem torcida também foi estranho. De repente a torcida volta, há uma obrigação. Confesso que estou muito cansado. Abri mão de tudo para ficar no Atlético”

Além disso, teve a responsabilidade de conduzir um supertime, um dos melhores da América, ao topo novamente, com pressão e ansiedade de todos ao seu redor, principalmente da torcida.

“Chega no limite (mental). Você tem responsabilidade grande, que é envolver na campanha, de ser campeão brasileiro. E o fracasso e o sucesso andam lado a lado. Se tivéssemos revés contra o Bahia, Fluminense, ou Santo… Foram viradas desgastantes, para o torcedor também. Sabíamos que o Flamengo estava chegando. Temos que controlar a ansiedade sem passar a preocupação excessiva aos jogadores”

“Dormi no CT, larguei filha, neta, a mulher, todos os problemas da vida particular para viver o Atlético. Tenho que me reorganizar, viver com as meninas. Sou pai, marido, avô”
Foto destaque: Divulgação/ Pedro Souza/ Atlético-MG
André Merice
Sou somente mais um louco apaixonado por futebol!