Associação Chinesa de Futebol ordena eliminação de todas as referências corporativas nos nomes dos clubes

Em um movimento que gerou resistência dos fãs, a Associação Chinesa de Futebol pressionou os clubes profissionais do país a mudarem seus nomes para nomes mais “neutros”.

De acordo com o Soccer News, a CFA (Chinese Federation Association) discutiu planos para alterar os nomes dos times em uma reunião com os clubes da Superliga Chinesa em Suzhou, província de Jiangsu, no dia 25 de novembro de 2020.

O corpo diretivo desejava eliminar quaisquer referências corporativas em nomes de equipes. Dalian Pro é atualmente o único clube entre os 16 times principais que não possui um patrocinador ou investidor em seu nome.

No final de 2019, a CFA ordenou que todos os clubes concluíssem o processo de renomeação a tempo para a temporada de 2021, alertando aqueles que não o fizessem seriam desqualificados da temporada.

Associação Chinesa de Futebol ordena mudança nos nomes dos clubes

Grandes impactos

Agora as equipes tiveram que aderir e isso começa a valer em 2021. Assim, nomes como Jiangsu Suning, campeão da CSL em 2020, Guangzhou Evergrande, campeão em 2019, Shanghai SIPG, campeão de 2018, e o clube da capital, Beijing Guoan, todos enfrentaram ou enfrentam o dilema de rebranding.

Suning é uma das maiores varejistas da China. Evergrande está entre as maiores incorporadoras imobiliárias do país. Enquanto SIPG se refere ao Porto Internacional de Xangai (Shanghai), um fortíssimo grupo. O principal clube de Pequim deve seu nome ao CITIC Guoan Group, maior conglomerado estatal do país.

Pequenos impactos

A política teria menos impacto em clubes como o Shanghai Greenland Shenhua e o Shandong Luneng Taishan, que poderiam, simplesmente, excluir os elementos corporativos - Greenland e Luneng - de seus nomes.

Exceções à regra

Quando o CFA discutiu pela primeira vez o plano de rebranding, indicou que times cujos nomes existiam antes de 2004 poderiam ser isentos das novas regras.

Porém, desde que pudessem argumentar com sucesso que os nomes haviam se enraizado na cultura do futebol chinês. No entanto, vários meios de comunicação relataram que a cláusula agora está fora de contexto e não foi mencionada durante a reunião de Suzhou em novembro passado.

O impacto dolorido da mudança de nome

Embora alguns clubes possam voltar para a cidade ou província onde estão localizados, o processo de renomeação é particularmente difícil para cidades que têm duas equipes de primeira linha - como Xangai (SIPG e Shenhua) e Guangzhou (Evergrande e R&F).

As equipes podem decidir imitar clubes alemães como o Schalke 04 ou 1860 Munique, cujos nomes fazem referência ao ano de fundação de cada clube.

Escolher apelidos, como os amplamente usados ​​na liga da Associação Chinesa de Basquete e nos esportes profissionais americanos, também é uma opção.

Até o momento, a maioria dos clubes permaneceu em silêncio sobre o assunto. No entanto, Shijiazhuang Ever Bright, que foi rebaixado da CSL, postou um aviso nas redes sociais convidando os fãs a enviarem suas ideias para um novo nome.

O clube, que pertence ao Ever Bright Group, disse que recebeu milhares de sugestões, incluindo Blue Wing, Blue Warriors e Shijiazhuang Men. Acabou por registrar o nome Cangzhou Lions Football Club.

A visão torcedora da mudança

Depois de anos de devoção aos seus clubes, muitos fãs mostraram seu desconforto com a nova política. Por utro lado, alguns observadores temem que a mudança possa atingir os clubes no bolso se o mundo corporativo considerar a CSL um investimento menos atraente como resultado.

“O nome de um clube de futebol é a sua marca que perdura há muito tempo. Conquistou o reconhecimento da torcida e do público”, comentou o portal Sina Sports. “O verdadeiro problema é que o futebol chinês continua instável financeiramente. Os clubes ainda precisam de investimento de suas matrizes”, concluiu.

A ideia de independência corporativa

Por outro lado, muitos argumentaram que eliminar os títulos corporativos dos nomes permite que os clubes construam marcas mais robustas. Dessa forma, assemelhando-se aos gigantes do futebol europeu, como Real Madrid, Manchester United, Liverpool, Barcelona e Juventus.

De fato, os clubes chineses geralmente precisam lidar com mudanças de nome quando um novo proprietário é instalado. Dalian Pro, por exemplo, era conhecido anteriormente como Dalian Aerbin e Dalian Yifang.

Assim, Beijing Guoan, por exemplo, estabeleceu e usa seu nome há 28 anos. Já o Henan Jianye está estabelecido há 26 anos com este nome. O objetivo dos regulamentos do CFA é ter nomes que podem durar muito e construir clubes para durar um século.

Decerto o impacto é gigante, pois faz com que camisas, faixas, bandeiras e até cânticos das torcidas mudem, afinal, um clube deixa de existir para outro nascer, não é tão simples.

Foto Destaque: Reprodução / Sina Sports

Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia. Sou Eric Filardi, paulistano de 27 anos, criado em Taboão da Serra, jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, Peixe, Palestra e Timão. Sou da Colina, Glorioso, Flu e Mengão. Sou brasileiro, hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 x 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões. Sou Clássico das Multidões. Sou Sul, Nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, Raposa, Bavi e Grenal. Sou Ásia e África. Sou Barça e Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas que o estádio incendeia: sou Futebol na Veia.
https://bit.ly/EricFilardi