As idas e vindas do ídolo Landon Donovan

- Talvez o maior nome da história do futebol nos Estados Unidos, tem um vasto currículo e agora se aventura como executivo
As idas e vindas do ídolo Landon Donovan

Na coluna Desbravando o Tio Sam desta semana, traremos o maior ídolo da história do futebol nos Estados Unidos. Landon Donovan, além de fazer sua carreira dentro do seu país natal, também fez curta passagem na Europa, dando o ar da graça por lá. Entretanto, em Los Angeles, mais precisamente no Galaxy, que seu futebol foi reconhecido e valorizado por 11 anos, entre idas e vindas.

O começo de tudo

Engana-se quem acha que Donovan deu seus primeiros chutes em um time americano. Certo que ele participou de um projeto de treinamento esportivo na Flórida, mas foi na Alemanha que tudo começou. O Bayer Leverkusen viu que ele tinha talento e o chamou em 1999 após o Mundial Sub-17, onde os Estados Unidos ficaram no 3º lugar. Nos Leões alemães, o americano ficou curto período, pouco se adaptou e logo voltou para casa, jogando no San Jose Earthquakes, em 2001.

Nos Quakes, tudo mudou da água para o vinho. Afinal, o sucesso foi imediato, tanto que em quatro anos de clube, foram dois títulos conquistados (2001 e 2003), marcando gols nas duas finais. Na última, inclusive, foram dois tentos para conta e o prêmio de MVP da temporada.

Donovan e Galaxy: um caso de amor

Em 2005 essa história começou, fazendo Donovan ser o mais bem pago na época. Logo na estreia, veio o título com os Galáticos que tinha dentre outros nomes, Pete Vagenas (ex-manager do próprio Galaxy) e o brasileiro Paulo Nagamura, que fez carreira por lá. No ano seguinte, mais uma vez os playoffs chegaram, mas dessa vez sem sucesso. Em 2007, com a chegada de Beckham as coisas mudaram de figura, pois a capitania saiu dos braços do americano e foram para o do inglês, mas juntos fizeram ótima parceria dentro de campo (fora, nem tanto).

A essa altura, o meia já se consolidava também em números, pois em 2009, ele já chegava ao seu 100º gol na liga americana. Também nesse período, Donovan já tinha um novo contrato que o permitia ser emprestado fora da temporada americana. Bayern de Munique e Everton (por duas vezes) foram os destinos que o colocaram novamente no Velho Continente. Na sua última volta ao Galaxy, retornando de uma aposentadoria forçada por conta das lesões, jogou apenas no fim da temporada 2016. Dessa forma, ainda permaneceu por mais dois anos e até que o fim aconteceu em 2018. Foram seis títulos da MLS e números que, a princípio, eram imbatíveis.

USMNT – A consagração de tudo

Na Seleção Americana, Donovan conquistou seu espaço desde a base. Como dito anteriormente, ele teve participação direta na excelente campanha do Mundial sub-17, ficando no 3º lugar. Após passar pela sub-20 e sub-23, chegou a hora e a vez de estar na principal. Em 2002 jogou seu primeiro Mundial, e ajudou a equipe a chegar nas quartas de final, sendo batido pela Alemanha. Mas, a equipe deu seu recado após vencer na estreia a equipe de Portugal, de Figo e companhia, por 3 x 2. Assim, Donovan foi coroado o melhor jovem do torneio, mais a frente.

Apesar do torneio, na Copa seguinte os americanos ficaram fora do mata-mata, perdendo dois jogos e empatando um. Donovan foi criticado pela imprensa local, pelo fraco desempenho na ocasião. A reviravolta veio no ano seguinte, no título da Copa Ouro contra o México, com o meia marcando o gol do título. Em 2008, ele acabou se tornando o maior goleador da seleção com 35 gols, e também chegou a marca de 100 jogos no time.

Na Copa das Confederações de 2009, ele esteve presente na campanha finalista da competição. O time acabou perdendo por 3 x 2, contra o Brasil, novamente o nosso personagem marcou o seu. No Mundial, chegou as oitavas deixando para trás Portugal de Cristiano Ronaldo, mas acabou eliminado por Gana. Donovan marcou o gol de honra, o quinto naquele torneio, um recorde para um atleta da Concacaf.

O fim melancólico

Mais adiante, na Copa Ouro de 2013, ele chegou a marca de 50 gols internacionais, e ainda fez sua 50ª assistência. Com tudo isso, o título veio contra o Panamá, por 1 x 0. Assim, Donovan conquistou outro titulo de melhor do torneio. Ainda em 2014, ajudou a seleção a chegar no Mundial do Brasil, mas desavenças com o técnico Klinsmann, o deixaram de fora. No fim daquele ano, Donovan fez seu último jogo pela equipe nacional, em amistoso contra o Equador finalizado em 1 x 1. Foi o último ato de uma lenda americana.

Final da carreira no México e um novo começo

Ao sair do Galaxy, Donovan ainda assinou contrato com o Léon. Ainda no ano passado, ele estreou pelo clube verde e branco, contra o Puebla. Entretanto, marcou seu primeiro tento pouco depois, em um amistoso contra o San Jose Earthquakes. Mas ao final de 2018, clube e jogador decidiram encerrar o acordo entre si.

Em junho deste ano, Landon Donovan começou a se arriscar fora dos campos. Ao lado de outros aventureiros, ele fundou o San Diego Loyal SC, que pretende estrear na United Soccer League (USL), em 2020 ou 2021. Donovan é o vice-presidente da franquia. Junto com a torcida, o clube pretende criar sua marca tendo também a cara da cidade.

https://twitter.com/landondonovan/status/1190725815828246528?s=20

Números e mais números

Na sua carreira, segundo o site Ogol.com, Donovan fez 641 jogos entre clubes e seleção. Ao todo, foram marcados 245 gols, destes, 137 com a camisa do Galaxy. Aliás, na liga americana ele é o segundo jogador com mais gols, com 145 feitos, além de ser o cara com mais assistências na história, com 136. Foram quase 29 mil minutos atuando na MLS e uma média de 0,47 gols por jogo.

Ao todo, também foram conquistadas seis títulos do torneio, duas Supporters' Shield, uma US Open Cup, quatro Copas Ouro. Individualmente, foram sete vezes nomeado ao melhor time da MLS, artilheiro do torneio em 2008, MVP do campeonato em 2009, além de artilheiro da Copa Ouro em três chances. Ufa! E ainda tem muito mais!

Ruan Silva

Sobre Ruan Silva

Ruan Silva já escreveu 948 posts nesse site..

Meu nome é Ruan Silva da Silva, tenho 24 anos, moro na cidade de Altamira no Pará. Sou graduado na área de Letras, com habilitação em Língua Portuguesa e no momento pós-graduando na área de Linguagem e Ensino, ambos pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Sou deficiente físico, tenho dificuldades na questão da locomoção, que dificulta um pouquinho as coisas, mas nada que impeça de exercer diversas atividades. Sou apaixonado por todos os esportes, principalmente pelo futebol, corintiano e simpatizante de diversos clubes na Europa que não cabem todos aqui e apaixonado também pelo jornalismo esportivo tendo como ídolos, ícones como Galvão Bueno, Luciano do Valle, André Henning, Vitor Sérgio Rodrigues e outros mais. Uma curiosidade minha é que consegui na graduação em um ambiente voltado aos estudos de ensino e aprendizagem, incluir o futebol no principal trabalho dos quatro anos de curso, o TCC. Escrevi sobre Nelson Rodrigues e a Copa de 1950, temas raramente trabalhados numa graduação como essa. Enfim! Sonho em um dia trabalhar efetivamente na área que tanto amo e acredito que posso fazer um bom papel no meio.

BetWarrior


Poliesportiva


Ruan Silva
Ruan Silva
Meu nome é Ruan Silva da Silva, tenho 24 anos, moro na cidade de Altamira no Pará. Sou graduado na área de Letras, com habilitação em Língua Portuguesa e no momento pós-graduando na área de Linguagem e Ensino, ambos pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Sou deficiente físico, tenho dificuldades na questão da locomoção, que dificulta um pouquinho as coisas, mas nada que impeça de exercer diversas atividades. Sou apaixonado por todos os esportes, principalmente pelo futebol, corintiano e simpatizante de diversos clubes na Europa que não cabem todos aqui e apaixonado também pelo jornalismo esportivo tendo como ídolos, ícones como Galvão Bueno, Luciano do Valle, André Henning, Vitor Sérgio Rodrigues e outros mais. Uma curiosidade minha é que consegui na graduação em um ambiente voltado aos estudos de ensino e aprendizagem, incluir o futebol no principal trabalho dos quatro anos de curso, o TCC. Escrevi sobre Nelson Rodrigues e a Copa de 1950, temas raramente trabalhados numa graduação como essa. Enfim! Sonho em um dia trabalhar efetivamente na área que tanto amo e acredito que posso fazer um bom papel no meio.

    Artigos Relacionados

    Topo