Argentinos Juniors e Patronato empatam pela Superliga Argentina

- Apesar das boas chances criadas por ambos, os clubes não saíram da igualdade
Argentinos Juniors

Nesta sexta-feira (21), Argentinos Juniors e Patronato entraram em campo em jogo válido pela 21ª rodada da Superliga Argentina. Assim, no Diego Armando Maradona, os clubes apresentaram um bom futebol, especialmente na etapa final. Dessa forma, Cristian Tarragona abriu o placar para os Rojinegros. Enquanto que Gabriel Hauche deixou tudo igual para o Bicho Colorado. No segundo tempo, as equipes pressionaram e se revezaram no ataque, mas não conseguiram marcar novamente. Logo, o resultado foi pior para os visitantes que, praticamente, decretou o seu rebaixamento.

1º TEMPO

Assim, Argentinos Juniors iniciou a partida melhor, explorando chutes de fora da área. Portanto, aos 7′, Miguel Torrén já havia arriscado de longe, mas para fora. Em seguida, após escanteio de Elias Gómez, Edwar López cabeceou, mas não encontrou a direção da baliza. No entanto, aos poucos, Patronato foi encaixando seu jogo. Dessa forma, no melhor momento do Bicho Colorado, os Rojinegros chegaram ao gol aos 19′. Lautaro Comas lançou para Campagnucci que errou o arremate, mas deu passe para Cristian Tarragona. Logo, o Camisa 9 chegou batendo para abrir o placar no Diego Maradona.

Após o tento, as equipes se revezaram com lances de perigo. No entanto, a alegria da torcida visitante durou pouco. Pois, logo aos 22′, após um bate rebate na área, a bola se apresentou para Gabriel Hauche que mandou um balaço no ângulo direito para empatar o jogo. Em seguida, a partida caiu de intensidade e os clubes somente vieram a assustar na reta final. Assim, Argentinos Juniors voltou a levar perigo com o autor do gol finalizando de dentro da área. Em seguida, foi a vez de Lautaro Comas arrematar para Patronato. No fim, Bicho Colorado ainda teve chance na cabeçada de Edwar López.

https://twitter.com/ClubPatronatoOf/status/1231013797600616448

2º TEMPO

Na volta do intervalo, as equipes fizeram uma etapa final bastante disputada e equilibrada, marcada pelo revezamento nos lances de ataque. Assim, logo a 1′, Santiago Silva deu passe de cabeça para Francis Mac Allister finalizar para boa defesa do goleiro do Patronato. Em seguida, foi a vez dos visitantes chegarem em chute de Gabriel Campagnucci. Na sequência, Argentinos Juniors levou perigo com Gabriel Hauche, mas o arremate parou no goleiro Ibanez. Após, os Rojinegros fizeram uma blitz na área adversária com Campagnucci e Ávalos, marcando pressão em busca do gol da virada.

Com isso, a partida se mantinha com intensidade e as equipes à procura de jogadas para chegar ao gol. Assim, aos 18′, Argentinos Juniors chegou com perigo na finalização de Nicolás Silva. Em seguida, em dois chutes através de Iván Colman e na cabeçada de Santiago Silva. Já na reta final, em um rápido contra-ataque, Cristian Tarragona tocou para Santiago Rosales que quase marcou para Patronato. Na sequência, o mesmo Rosales investiu duas vezes, mas sem sucesso. No fim, mesmo com a boa pressão exercida por ambos os clubes, ninguém conseguiu mandar para as redes e o empate se manteve.

https://twitter.com/AAAJoficial/status/1231014722536902656

E AGORA?

Dessa forma, com o empate, Argentinos Juniors segue no G4, na 3ª posição com 36 pontos, mas já começa a ser ameaçado por outros clubes. Enquanto que Patronato segue nas últimas colocações e, praticamente, rebaixado à Primera B Nacional. Agora, na próxima rodada, o Bicho Colorado visita Vélez Sarsfield, no domingo (1/3), às 21h50 (horário de Brasília). Já os Rojinegros recebem Talleres, na segunda-feira (2/3), às 19h (horário de Brasília). Antes, El Tifón de Boyacá visita Huancayo, na terça-feira (25), às 21h30 (horário de Brasília), pelo jogo da volta da 1ª fase da Copa Sul-Americana.

MELHORES MOMENTOS

Foto Destaque: Reprodução / Julián Alvarez / Diário Olé

BetWarrior


Poliesportiva


Ricardo do Amaral
Ricardo do Amaral
"Alvíssaras! Sou Ricardo Accioly Filho, pernambucano de 27 anos, advogado e estudante de jornalismo pela Uninassau. Tenho como mote que “no futebol, nunca serão apenas 11 contra 11”; é arte, é espetáculo, humanismo, tem poder de mover multidões e permitir ascensões sociais. Como paixão nacional do brasileiro, o futebol me acompanha desde cedo, entretanto como nunca tive habilidade para praticá-lo, busquei associar duas vertentes de minha vida: o prazer pela leitura e o esporte bretão. Foi nesse diapasão que encontrei no jornalismo esportivo o elo de ligação que me leva a difundir e informar o que, nas palavras de Steven Spielberg, é o “mais belo espetáculo de imagens que já vi”."

    Artigos Relacionados

    Topo