Hoje, a nossa coluna Samurais da Bola, contará a história de mais um brasileiro com passagem pelo futebol japonês. Se trata de Antônio Carlos Zago, campeão da Copa Libertadores e tetra campeão brasileiro. Além disso, o ex-atleta, e agora treinador, soma mais de 30 anos vivendo pelo futebol. Sendo assim, também vestiu camisas de clubes da Europa, como Roma e Besiktas. Por sua vez, Zago está de volta ao Japão, agora treinando o Antlers.

ENGATINHANDO NO FUTEBOL

O nosso homenageado da vez, nasceu em maio de 1969, em Presidente  Prudente, interior de São Paulo. Logo, aos 17 anos, iniciou a sua carreira como zagueiro do Ubiratan Esporte Clube, da cidade de Dourados-MS, em 1986. Sendo assim, o atleta é considerado um dos defensores mais técnicos que o Brasil já produziu. Logo, com tanto talento, era compreensível que em algum momento Zago vestiria a camisa de um clube de maior expressão.

Foi o que aconteceu em 1990, o então garoto, acertou com o Corinthians para as categorias de base. No entanto, após se desentender com um treinador, o atleta foi para o rival São Paulo. Assim, no tricolor, Zago conseguiu a sua primeira experiência na elite do futebol. Com isso, ele foi comandado por Telê Santana, além de fazer parceria com o também zagueiro, Ricardo Rocha. Nesse sentido, o convívio com as estrelas, impulsionou a sua evolução.

SE FIRMANDO ENTRE OS GRANDES

Antônio Carlos Zago ficou no Morumbi só até 1992, no entanto, foi o suficiente para conquistar títulos que marcaram a história do clube. Dessa forma, segundo o site O Gol, durante os três anos na equipe, o ex-zagueiro atuou em 139 partidas, e marcou dez gols. Além disso, conquistou o Paulista (91-92), Brasileiro (91), Copa Libertadores (92) e o Mundial (92).

Dessa forma, campeão de quase tudo pelo tricolor, Zago chegou a Europa, para jogar no Albacete. No entanto, sem ser bem aproveitado, o atleta jogou apenas 12 partidas. Assim, no mesmo ano, ele voltou ao Brasil, mas desta vez, para o outro lado do muro na Barra Funda, no Palmeiras. Sendo assim, o defensor chegou ao clube mais experiente e com status de líder.

O nosso homenageado, ficou na equipe alviverde por três anos. Assim, participou de 84 partidas e marcou apenas três vezes. Porém, a escassez de gols do defensor não fizeram falta para o clube. Uma vez que o atleta pegou uma das melhores épocas do Palestra, quanto era patrocinado pela Parmalat. Assim, pelo Palmeiras, Zago foi campeão tão quanto foi pelo São Paulo. Dessa forma, venceu mais dois Paulistas (93-94), e os Brasileiros (93-94).

CONHECENDO O MUNDO

Após deixar o Palmeiras, Zago voltou a cruzar o mar, dessa vez, com destino ao Japão. Assim, em 1996, ele assinou um contrato com o Kashiwa Reysol. Logo, pela equipe aurinegra, o ex-zagueiro não sagrou-se campeão. No entanto, a chegada de um jogador experiente como Zago, ajudou na evolução do ascendente futebol japonês. Dessa forma, ele atuou em 35 partidas, e ficou no Reysol pouco mais de um ano, conquistando a 5ª posição na J-League.

No auge dos seus 27 anos, Zago optou por voltar ao Brasil. Assim, retornou para a cidade de São Paulo, dessa vez, para vestir a camisa do Corinthians. Logo, o reforço do ex-zagueiro ajudou a equipe alvinegra a ser campeã do Paulista de 1997. No entanto, ele ficou no Parque São Jorge por apenas um ano, quando foi requisitado pela Roma. Assim, a equipe italiana pagou ao timão cerca de quatro milhões de Euros. Valor alto à época.

De volta ao velho continente, Zago viveu o ponto alto de sua carreira. Logo, a Roma foi o clube em que o ex-zagueiro ficou por mais tempo. Sendo assim, ao longo de cinco temporadas, participou de 137 partidas. Dessa forma, ao lado de Batistuta, Cafu, Montella e Totti, conquistou o campeonato italiano e a Super Copa da Itália, ambos os títulos em 2001, mesmo ano em que foi campeão da Copa América pela seleção brasileira.

Dessa forma, após o fim do seu contrato com a equipe italiana em 2002, Zago chegou a custo zero ao Besiktas. No entanto, ficou na equipe turca apenas dois anos, o que foi suficiente para vencer o campeonato nacional em 2003. Sendo assim, após seis anos longe de casa, o ex-zagueiro voltou ao Brasil, dessa vez para vestir a camisa do Santos, onde  venceu o seu quarto Brasileiro, em 2004.

https://twitter.com/ESPNBrasil/status/877347128825307136

TROCANDO DE FUNÇÃO

Depois de ter o privilégio de ser campeão pelos quatro grandes de São Paulo, Zago optou por sair do Santos e ir para o Juventude. Assim, ficou na equipe gaúcha por dois anos, sem levantar troféus. Dessa forma, em 2007, aos 38 anos, voltou para a Vila Belmiro, e venceu o Paulista. Logo, um ano depois, Antônio Carlos Zago anunciou a sua aposentadoria dos campos, e acertou com o Corinthians para ser diretor técnico.

Sua passagem pelos bastidores do alvinegro foi curta. Com isso, Zago aceitou um novo desafio, e foi contratado para treinar a equipe do São Caetano em 2009. Assim, até o ano de 2012, o treinador rodou por vários clubes, como Palmeiras, Grêmio Barueri, Vila Nova e Audax. Sendo assim, sem muito sucesso na nova carreira, Zago optou por ir até a Europa e atualizar seus métodos como técnico de futebol.

UM NOVO FUTEBOL

Durante esta período, Zago fez vários cursos, além de estagiar no Shaktar Donetsk e na Roma. Dessa forma, após se atualizar, o treinador foi contratado para comandar o Juventude, em 2015. Logo, pelo clube gaúcho ele conquistou o vice-campeonato do estadual e o acesso a segunda divisão. Nesse sentido, o bom trabalho na equipe o levou a acertar com o Internacional em 2017, mas com um desempenho abaixo, ele foi demitido no mesmo ano.

Assim, acertou com uma nova equipe, dessa vez, o Fortaleza, onde Zago conquistou o acesso a série B, feito que o Leão tentava há oito anos. Já em 2018, o Red Bull Brasil contratou o treinador. Dessa forma, após o clube se fundir com o Bragantino, Zago foi mantido no comando do time, onde foi campeão da série B 2019. Logo, após o término do torneio, o técnico acertou com o Kashima Antlers, onde está até hoje.

https://www.youtube.com/watch?v=iDRxeuidYhM

Foto Destaque: Divulgação/Kashima Antlers

Avatar
Pedro Lopes
Nasci e cresci em Minas Gerais, e aqui realizo um sonho cursando jornalismo na Universidade Federal de Viçosa. A paixão pela comunicação junto com o esporte me move a buscar um futebol cada dia mais democrático.

Artigos Relacionados