Análise: CR7 e Asensio decidem, e Real Madrid se aproxima da classificação

- Maior campeão europeu virou o jogo e larga na frente por vaga nas quartas de final; Unai Emery vai mal e PSG paga o preço
CR7 e Asensio decidem, e Real Madrid se aproxima da classificação

Real Madrid e PSG disputaram, na noite de ontem, no Santiago Bernabéu, a primeira partida das oitavas de final da Liga dos Campeões. No primeiro ‘jogo do ano' do ano, os merengues levaram a melhor. Após estar perdendo por 1 a 0, os atuais campeões viraram a partida e venceram por 3 a 1. O gol do time francês foi marcado por Rabiot; o Real foi às redes com Cristiano Ronaldo, duas vezes, e Marcelo.

Na partida da volta, marcada para o dia 06 de março, os espanhóis podem perder por um gol de diferença. Um 2 a 0 classifica o PSG; se o duelo acabar 3 a 1 para os donos da casa, haverá prorrogação. Caso os franceses vençam por dois gols de diferença, mas o Real faça mais de um gol, CR7 e companhia seguirão vivos em busca do 13º título.

Primeiro tempo

O primeiro tempo do jogo foi bastante corrido, mas a técnica não foi deixada de lado. As duas equipes sacrificaram seus laterais-direito. Pelo lado madridista, Nacho foi escalado para conter Neymar. Em contraponto, embora se destaque pelo poder ofensivo, Daniel Alves priorizou a defesa, a fim de evitar que Marcelo e CR7 tivessem vida fácil pelo flanco esquerdo.

Pelo meio-campo, Casemiro esteve aquém da expectativa, o que permitiu que a excelente dupla Rabiot e Verratti tivesse um pouco mais de espaço para criar as jogadas. Por isso, Neymar era facilmente encontrado. Inclusive, o primeiro tempo do camisa 10 foi muito bom: deslocando-se na diagonal, da esquerda para a intermediária, com bastante objetividade, construiu boas jogadas para seu time. O gol, contudo, saiu pelo lado direito, aos 33: Mbappé fez ótima jogada individual e cruzou rasteiro; Cavani deu um corta-luz e a bola sobraria para Neymar. Nacho desviou, mas a bola sobrou para Rabiot, que deslocou Navas. 1 a 0.

Cavani teve a oportunidade de ampliar aos 38, após bela jogada de Neymar. A resposta do Real veio aos 43: com a elegância de sempre, Kroos bateu colocado e obrigou Areóla a fazer linda defesa. Após a cobrança de escanteio, Lo Celso fez pênalti infantil no alemão. CR7 foi para a cobrança e, com um chute forte, estufou as redes para igualar o duelo.

CR7 bateu pênalti com força e igualou o jogo | Créditos: UEFA

Segundo tempo

O PSG voltou melhor e teve as principais chances de gol nos primeiros minutos, mas o placar seguiu igual. Então, aos 21 minutos, Unai Emery cometeu um erro crasso. Aparentemente satisfeito com o empate, tirou Cavani. Sabotou o próprio time. Meunier entrou e Daniel Alves foi deslocado, inexplicavelmente, para o meio-campo. Draxler e Di María no banco. O uruguaio não vinha bem, é verdade, mas é sabido que tem potencial para decidir um jogo em uma única bola.

Diferentemente do treinador espanhol, Zidane mudou positivamente a cara de seu time. Tirou Benzema, mais uma vez péssimo, e colocou Bale, para dar velocidade ao ataque. CR7, então, atuaria centralizado. Depois, entraram Vázquez, no lugar de Casemiro, e Asensio, substituindo Isco.

O canhotinho Asensio mudou o jogo. Com quatro minutos em campo, fez boa jogada na ponta esquerda e cruzou. Com um faro de gol que lhe é peculiar e o oportunismo, ou sorte, Ronaldo escorou de joelho. Real na frente. O gajo estava lá.

CR7 virou o jogo e a comemoração habitual apareceu | Créditos: Reuters

Três minutos depois, Asensio apareceu novamente. Após nova jogada pela esquerda, cruzou para Marcelo, que, de primeira, estufou as redes do PSG. 3 a 1. Vantagem confortável para o próximo confronto.

O grande elenco do PSG não nos permite dizer que o confronto está decidido. Mas, quem tem Cristiano Ronaldo pode esperar que o gajo tire um coelho da cartola, para dificultar ainda mais a remontada francesa. ”Temos uma vantagem importante, mas não temos que nos encher de confiança. O confronto ainda não está fechado. Temos que marcar lá”, disse o luso após a partida.

Aguardemos, até o começo de março.

Será a grande partida para Neymar. Se jogar como jogou ontem, há esperanças. Unai Emery precisa colaborar. Se o PSG for eliminado, sua culpa é gigantesca. Medroso, jogou pelo empate. Subestimou a grandeza do Real Madrid. Pior, duvidou de um monstro que atende pelo nome de Cristiano Ronaldo, o melhor do planeta, maior artilheiro da Liga dos Campeões.

André Siqueira Cardoso

Sobre André Siqueira Cardoso

André Siqueira Cardoso já escreveu 313 posts nesse site..

Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

BetWarrior


Poliesportiva


André Siqueira Cardoso
André Siqueira Cardoso
Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

    Artigos Relacionados

    Comments are closed.

    Topo