Real Madrid e PSG disputaram, na noite de ontem, no Santiago Bernabéu, a primeira partida das oitavas de final da Liga dos Campeões. No primeiro ‘jogo do ano' do ano, os merengues levaram a melhor. Após estar perdendo por 1 a 0, os atuais campeões viraram a partida e venceram por 3 a 1. O gol do time francês foi marcado por Rabiot; o Real foi às redes com Cristiano Ronaldo, duas vezes, e Marcelo.

Na partida da volta, marcada para o dia 06 de março, os espanhóis podem perder por um gol de diferença. Um 2 a 0 classifica o PSG; se o duelo acabar 3 a 1 para os donos da casa, haverá prorrogação. Caso os franceses vençam por dois gols de diferença, mas o Real faça mais de um gol, CR7 e companhia seguirão vivos em busca do 13º título.

Primeiro tempo

O primeiro tempo do jogo foi bastante corrido, mas a técnica não foi deixada de lado. As duas equipes sacrificaram seus laterais-direito. Pelo lado madridista, Nacho foi escalado para conter Neymar. Em contraponto, embora se destaque pelo poder ofensivo, Daniel Alves priorizou a defesa, a fim de evitar que Marcelo e CR7 tivessem vida fácil pelo flanco esquerdo.

Pelo meio-campo, Casemiro esteve aquém da expectativa, o que permitiu que a excelente dupla Rabiot e Verratti tivesse um pouco mais de espaço para criar as jogadas. Por isso, Neymar era facilmente encontrado. Inclusive, o primeiro tempo do camisa 10 foi muito bom: deslocando-se na diagonal, da esquerda para a intermediária, com bastante objetividade, construiu boas jogadas para seu time. O gol, contudo, saiu pelo lado direito, aos 33: Mbappé fez ótima jogada individual e cruzou rasteiro; Cavani deu um corta-luz e a bola sobraria para Neymar. Nacho desviou, mas a bola sobrou para Rabiot, que deslocou Navas. 1 a 0.

Cavani teve a oportunidade de ampliar aos 38, após bela jogada de Neymar. A resposta do Real veio aos 43: com a elegância de sempre, Kroos bateu colocado e obrigou Areóla a fazer linda defesa. Após a cobrança de escanteio, Lo Celso fez pênalti infantil no alemão. CR7 foi para a cobrança e, com um chute forte, estufou as redes para igualar o duelo.

CR7 bateu pênalti com força e igualou o jogo | Créditos: UEFA

Segundo tempo

O PSG voltou melhor e teve as principais chances de gol nos primeiros minutos, mas o placar seguiu igual. Então, aos 21 minutos, Unai Emery cometeu um erro crasso. Aparentemente satisfeito com o empate, tirou Cavani. Sabotou o próprio time. Meunier entrou e Daniel Alves foi deslocado, inexplicavelmente, para o meio-campo. Draxler e Di María no banco. O uruguaio não vinha bem, é verdade, mas é sabido que tem potencial para decidir um jogo em uma única bola.

Diferentemente do treinador espanhol, Zidane mudou positivamente a cara de seu time. Tirou Benzema, mais uma vez péssimo, e colocou Bale, para dar velocidade ao ataque. CR7, então, atuaria centralizado. Depois, entraram Vázquez, no lugar de Casemiro, e Asensio, substituindo Isco.

O canhotinho Asensio mudou o jogo. Com quatro minutos em campo, fez boa jogada na ponta esquerda e cruzou. Com um faro de gol que lhe é peculiar e o oportunismo, ou sorte, Ronaldo escorou de joelho. Real na frente. O gajo estava lá.

CR7 virou o jogo e a comemoração habitual apareceu | Créditos: Reuters

Três minutos depois, Asensio apareceu novamente. Após nova jogada pela esquerda, cruzou para Marcelo, que, de primeira, estufou as redes do PSG. 3 a 1. Vantagem confortável para o próximo confronto.

O grande elenco do PSG não nos permite dizer que o confronto está decidido. Mas, quem tem Cristiano Ronaldo pode esperar que o gajo tire um coelho da cartola, para dificultar ainda mais a remontada francesa. ”Temos uma vantagem importante, mas não temos que nos encher de confiança. O confronto ainda não está fechado. Temos que marcar lá”, disse o luso após a partida.

Aguardemos, até o começo de março.

Será a grande partida para Neymar. Se jogar como jogou ontem, há esperanças. Unai Emery precisa colaborar. Se o PSG for eliminado, sua culpa é gigantesca. Medroso, jogou pelo empate. Subestimou a grandeza do Real Madrid. Pior, duvidou de um monstro que atende pelo nome de Cristiano Ronaldo, o melhor do planeta, maior artilheiro da Liga dos Campeões.

André Siqueira Cardoso
Sou André Siqueira Cardoso, tenho 21 anos. Aluno de jornalismo da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atualmente trabalho em VEJA, com a cobertura do noticiário político. Apaixonado por esportes, jogador de futebol até hoje, tenho o sonho de cobrir uma Copa do Mundo.

Artigos Relacionados

Comments are closed.