Amoroso e sua passagem no Borussia Dortmund (Foto destaque> Reprodução / Transfermarkt)

Márcio Amoroso, ou simplesmente Amoroso, nasceu em 5 de julho de 1974 e apareceu no mundo do futebol em meados dos anos 90. Assim, revelado nas categorias de base do Minas Tênis Clube de Brasília, foi descoberto e iniciou a carreira profissional no Guarani de Campinas, no estado de São Paulo. Então, com apenas 18 anos, foi emprestado ao Verdy Kawasaki, do Japão e logo na temporada seguinte voltou ao time paulista.

Após passagem bem curta pelo Flamengo, Amoroso partiu para a Itália para jogar pela Udinese. Em terras italianas, se tornou o artilheiro do campeonato nacional com 22 gols, na temporada 1998-99. Então, se transferiu para o Parma, onde passou dois anos se recuperando de uma grave lesão e não teve o mesmo sucesso do clube anterior.

https://twitter.com/7amorosooficial/status/1257084804291604483?s=20

Chegada na Alemanha

Dessa forma, a história do ex-atacante iniciou na Alemanha. Devido às lesões, Amoroso percebeu que deveria tomar um novo rumo em sua carreira. Assim, partiu para o Borussia Dortmund em 2001, após o clube alemão desembolsar quase 26 milhões de euros no atleta. Dessa forma, se tornou, na época, a maior contratação da história do clube. O Dortmund havia investido para conquistar a Bundesliga, e Amoroso formava o ataque junto com o, também brasileiro, Ewerthon e o tcheco Jan Köller.

O interesse do Borussia Dortmund me motivou muito. Principalmente por ser um dos grandes clubes tradicionais do futebol alemão e ter jogadores que eu respeitava e admirava muito. Quem não sonharia em jogar no Borussia Dortmund, né? É claro que eu conhecia a história, principalmente pela trajetória vitoriosa de dois brasileiros que foram pioneiros. Dedê e Julio César, que foram importantes até mesmo para que eu pudesse chegar na sequência no BVB. Foi uma honra conseguir me provar logo no primeiro ano, sendo campeão alemão, artilheiro e melhor jogador da competição. Foi uma alegria imensa poder ter correspondido a minha contratação, disse o jogador, em entrevista.

Além do ataque, a equipe contava com grandes nomes do futebol alemão. O Dortmund tinha nomes como: Lars Ricken, Jörg Heinrich e Stefan Reuter, remanescentes da conquista da Champions League em 1996/97. Além deles, Tomas Rosick, Evanílson, Dedê e Jens Lehmann também faziam parte da equipe treinada por Matthias Sammer.

Ano mágico

Logo em seu primeiro ano fez barba, cabelo e bigode com o título, a artilharia com 18 gols e o prêmio de melhor jogador da competição. Em sua estreia, Amoroso marcou dois gols, em partida válida pela Bundesliga contra o Nurnberg, na vitória de 2×0. Então, nos dois próximos jogos, contra Hertha Berlin e Wolfsburg, também deixou sua marca.

Foi um estreia que qualquer atleta gostaria de ter. Uma tarde abençoada no qual marquei os dois gols da nossa vitória. Foi bom ter vivido aquele momento de expectativa de temporada de forma intensa. Aqueles dois gols foram os que abriram as portas para que eu pudesse ser artilheiro e campeão da competição lá no final.

Naquela temporada o Borussia Dortmund chegou a ficar invicto por 13 rodadas, chegando à liderança da competição. Contudo, ficou marcado o empate diante do Bayern em 1 a 1 no Estádio Olimpíco de Munique. Assim, com um ótimo chute, Amoroso marcou de falta diante de Oliver Kahn, que viria às lágrimas após o apito final, vendo que, o então campeão por três anos seguidos, Bayern, não tinha mais como ganhar o título.

Título da Bundesliga

Então, o Leverkusen quebrou a sequência sem derrotas ao aplicar uma goleada por 4×0, roubando seu lugar na liderança. Contudo, o Dortmund conseguiria retomar o topo da tabela, liderado por Amoroso que marcaria gols importantes, como contra o Colônia aos 44 minutos do segundo tempo, já no fim do campeonato. Naquela temporada, o Borussia Dortmund se sagrava campeão da Bundesliga depois de quatro anos.

A sensação de ser campeão é fantástica. O Borussia não vencia a Bundesliga desde a temporada 1995/96 e voltou a ganhar justo quando eu cheguei. Foi maravilhoso ter visto na rua milhares de torcedores do Dortmund comemorando aquele feito nosso. Fiquei muito contente de ter sido campeão e artilheiro, a sensação era de dever cumprido.

Era a vontade de todos. A gente nunca pensou em jogar a toalha. A gente não pensávamos em não ganhar. Pelo contrário, cada jogo era uma final. A gente aos poucos foi mordendo devagarinho para que quando faltassem três rodadas e tivéssemos ainda na briga pelo título. E conseguimos. Pela força do nosso grupo, jogadores de muita qualidade. Prevaleceu a força da nossa torcida e do nosso grupo, sendo cada jogo uma final.

https://twitter.com/7amorosooficial/status/1257457964769828866?s=20

 

Vice-campeonato na Liga Europa

Ainda na mesma temporada, a equipe chegou à final da Liga Europa (na época chamada Copa da UEFA). Porém, o Feyenoord conseguiu vencer por 3×2. Porém, uma das partidas que ficou marcada na memória e na história de Amoroso e todos os jogadores e amantes do Borussia Dortmund, foi a classificação épica diante do Milan nas semifinais da competição. Naquele dia, bateram a equipe por 4 a 0, após ter perdido por 3 a 1 no San Siro, em Milão. Amoroso foi o nome daquele jogo, marcando um hat-trick na partida ainda no primeiro tempo.

Números

Pelo clube alemão, Amoroso atuou 89 vezes  e marcou 42 gols. Além disso, o atacante acumulou 13 assistências, um título da Bundesliga 2001/02, artilheiro e melhor jogador da competição. Além disso, atuou 19 vezes pela seleção brasileira, marcando 10 gols com a amarelinha. Apesar de não ter jogado tantos jogos pelo Borussia, Amoroso fez barulho, foi sempre notícia no tempo vivido no clube e, até hoje, é lembrado pelos torcedores. Afinal para eles, “ninguém jogava tão bem, como Amoroso”.

Celso Junior
Sou Celso Junior, carioca e moro em Rio das Ostras - RJ. Sou pai da Maria Sofia e amante do futebol, esporte o qual vivo desde criança. Sou professor, treinador, e estudo intensamente o futebol em suas diversas áreas.

Artigos Relacionados