Amor e Futebol na Itália! Conheça a trajetória do Hellas Verona F.C campeão Italiano em 1984-85

- O time que mostrou a cidade do amor para o mundo

Quem acompanha a hegemonia da Juventus nos tempos atuais na Série A Tim, nem imagina as surpresas e emoções que esse Campeonato já causou. Dessa forma, a coluna CalcioStoria resolveu mostrar um pouco da campanha do Hellas Verona F.C na temporada de 1984/85, quando a equipe foi campeã. A princípio, conhecida por ser a cidade do amor, Verona mostrou que apesar das dificuldades a história pode sim ter final feliz. Acompanhe conosco.

Início de tudo

O roteiro era natural de um time longe dos grandes centro. Assim, era o Hellas Verona F.C na década de 80. Além disso, se olharmos o panorama geral a Roma tinha uma esquadra com: Falcão, Cerezo e Ancelotti. O Milan tinha Paolo Maldini e várias outras equipes tinham peças mais vistosas do que aquela equipe lá do Nordeste da Itália.

Os Azuis e brancos se organizava para voltar a primeira divisão italiana. Dessa forma, na temporada de 1981-82, a equipe conseguiu o acesso e simultaneamente o título da Série B. A princípio, muito da conquista passa pelo técnico Osvaldo Bagnoli que foi ousado e armou um time vistoso com os talentos que tinha em mãos como o goleiro Garella, o defensor Tricella e o meia Di Gennaro.

Pós título Mundial da Itália

De antemão, a Itália conquistava o título Mundial, em 1982, o que foi o responsável por dar uma animada nas competições nacionais e trazer de volta a confiança após esquemas de corrupção e manipulação de resultados denominado Tottonero. Sendo assim, várias estrelas figuravam pelo cenário, o Calcio que tinha a ambição de um futuro de ouro, conseguiu e isso se confirmou no final da década 80 e início da de 90.

Retorno a Série A Tim

Por outro lado, o objetivo inicial do Verona era permanecer na primeira divisão. Logo, o Hellas Verona F.C foi ao mercado e trouxe mais algumas peças para a temporada de 1982-83. Logo, chegaram o defensor Luciano Marangon, o atacante Pietro Fanna, e os meio campistas Luigi Sacchetti e Domenico Volpati.

Assim, a meta foi atingida o time conseguiu uma bela 4° colocação e viram os comandados por Falcão levantarem o Scudetto. Porém, os comandados por Bagnoli chegaram a final da Copa da Itália. Enfrentaram a Juventus e venceram o jogo de ida, por 2 x 0, mas Rossi e Platini reverteram o placar e deram o título a Velha Senhora.

Acompanhando o sucesso da temporada anterior, a fórmula se repetiu na seguinte 1983-84, o que culminou na 6° colocação na Série A. Logo, uma nova final de Copa da Itália foi disputada e dessa vez perdida para a Roma, após empate no primeiro jogo por 1 x 1 e derrota por 1 x 0 no jogo da volta. Entretanto, não existia sentimento de perda e sim de que o trabalho estava dando bons frutos.

Temporada de 1984-85

Dessa forma, para a temporada de 1984-85, o clube decidiu ousar e investiu em atletas estrangeiros: o alemão e polivalente Hans-Peter Briegel, e o dinamarquês Preben Elkjaer Larsen, que caiu como uma luva no esquema de Bagnoli. Logo, ele começou a escalar o atacante ao lado de Fanna, Galderisi e Di Gennaro. Assim, as expectativas da torcida e de todos cresceram que os torcedores esgotaram os ingressos para as partidas em casa, além disso nunca se tinha visto uma equipe com potencial como aquela.

https://twitter.com/Radio1Rai/status/691597108558848000?s=19

 

De antemão, a temporada 1984-85 foi de mudanças na Série A Tim. Assim, foi a única vez na história que o campeonato teve árbitros sorteados para cada partida. Logo, a medida era uma forma de limpar a sujeira deixada na imagem do futebol do país e deixou os clubes menores sorrindo, pois os erros eram sempre a favor dos grandes.

Entretanto, o objetivo do Hellas Verona F.C era alcançar as metas anteriores e superar as boas campanhas. Em suma, o time comandado por Bagnoli era leve, possuía um bom ambiente e tinha as características de uma família. Logo, os gialloblù tinham todos os quesitos necessários para um Campeonato de tiro curto, mas com nível elevado.

https://twitter.com/alpalolargo7/status/974246521200881669?s=19

Disputa da Série A Tim

Em suma, a estreia no Campeonato foi contra o Napoli que aquela altura tinha Maradona. Assim, o cenário era “previsível”, o estádio Marcantonio Bentegodi estava lotado, todos ansiosos pela estreia do argentino na competição. Entretanto, coube ao alemão Briegel, a incumbência de parar Dieguito. O jogador do Verona não só conseguiu como marcou o primeiro dos gols da equipe na vitória por 3 x 1. Logo, os comandados por Bagnoli mostravam sua eficiência e seu poder de fogo ao público.

Posteriormente, foi a vez do Ascoli, repetição do placar 3 x 1 (gols de Gennaro, Briegel, e Elkkaer) para o Hellas na casa do adversário. O terceiro compromisso, outro triunfo, em seus domínios contra a Udinese de Zico, por 1 x 0. Assim, invictos os Azuis e Amarelos tinham a liderança isoladamente na competição.

Posteriormente, veio o empate sem gols contra a Internazionale. Nesse interim, o clima de alegria tomava conta do Nordeste Italiano, ainda mais por conta do jogo marcado contra a Juve no dia 14 de outubro de 1984, em casa. Logo, vale ressaltar que a Juventus era uma das candidatas ao título e rival direto na disputa mesmo sendo ele muito difícil.

No dia do jogo, uma festa inigualável, ambiente totalmente favorável. Dentro dos gramados o que se viu foi os gialloblù de modo implacável. Desse modo, a equipe abriu o placar aos 17′ com Galderisi. Já no final da partida Elkjaer saiu num contra-ataque, passou pelo adversário, invadiu a grande área, cortou outro defensor e marcou um golaço digno de troféu. Ao final o placar de 2 x 0 mostrou que o Verona, estava vivo na disputa pelo Scudetto.

Returno e liderança

Antecipadamente, no primeiro jogo do returno, o Hellas Verona F.C conseguiu um belo empate, em Nápoles, contra os donos da casa. Na contramão, no retorno aos seus domínios venceu o Ascoli por 2 x 0 (Galderisi e Sacchetti), balançaram as redes.

Na sequência foram até Udine, encarar a Udinese. Apesar de ter tido alguns momentos ruins conseguiu abrir 3 x 0 ainda na primeira etapa. Porém, o empate veio no início do tempo final. Mas, após o terceiro gol dos mandantes, Elkjaer e Briegel, colocaram o Verona em vantagem por 5 x 3 e garantiu um triunfo impressionante. Em suma, na sequência dois empates contra a Inter e Juve foram o suficiente para colocar os gialloblù na liderança do campeonato.

No dia 12 de maio de 1985, veio a coroação. Dessa forma, o Hellas Verona F.C conquistou o título mais importante de sua história e talvez um dos mais bonitos italianos. Sendo assim, o empate contra a Atalanta em 1 x 1, mais a igualdade sem gols do Torino contra a Fiorentina, o clube sagrou-se campeão da Itália. Além disso, se tornou o primeiro time fora das grandes cidades a conquistar o Scudetto. O título consagrou se não a melhor equipe, a que mais lutou e mereceu levantar o caneco. Foram: 15 triunfos, 13 empates e duas derrotas.

Gilvan Junior

Sobre Gilvan Junior

Gilvan Junior já escreveu 287 posts nesse site..

Gilvan Junior, 20 anos, natural de Feira de Santana, estudante de jornalismo pela FAT. Desde pequeno, meu principal assunto era o esporte. Sempre acompanhado programas, sites, etc. Decidir, partir pra área que me dará a oportunidade de viver daquilo que mais amo. O futebol.

BetWarrior


Poliesportiva


Gilvan Junior
Gilvan Junior
Gilvan Junior, 20 anos, natural de Feira de Santana, estudante de jornalismo pela FAT. Desde pequeno, meu principal assunto era o esporte. Sempre acompanhado programas, sites, etc. Decidir, partir pra área que me dará a oportunidade de viver daquilo que mais amo. O futebol.

    Artigos Relacionados

    Topo