Afinal, existe futebol no Vaticano?

Considerada o menor Estado soberano do mundo, a Cidade do Vaticano é conhecida mundialmente com a sede da Igreja Católica. Com um pouco mais 800 habitantes e uma área de aproximadamente 44m², a região é um Estado eclesiástico ou teocrático-monárquico, governado pelo bispo de Roma, o Papa. A maior parte dos funcionários públicos são todos os clérigos católicos de diferentes origens raciais, étnicas e nacionais.

Mesmo sendo um enclave tão pequeno e com tanta formalidade religiosa, há no Vaticano quem esteja disposto a praticar esportes, principalmente o futebol.

As referências ao futebol no Vaticano são ancestrais. Exatamente no dia 7 de janeiro de 1521 foi disputado o primeiro do jogo de futebol na região, na Corte Belvedere, na presença do Papa Leão X. Já em 1966, foi fundado o Museu do Vaticano SS Hermes, o primeiro time de futebol do Estado formado por guardiões, conservadores e servos de Museus do Vaticano.

Com o aumento do número de equipes, Sérgio Valci, funcionário do Vaticano, viu a possibilidade de expandir o esporte na terra santa. Assim, em 1972, ele coordenou a primeira competição de futebol do Vaticano. Ele reuniu sete times representando os diferentes departamentos e serviços do Estado e criou a “Friendship Cup”.

A partir daí já são décadas de esporte bretão na terra no Papa. Atualmente, o campeonato local acontece entre equipes de diferentes departamentos e escritórios do Estado. Ainda existe no Vaticano a Clericus Cup, também chamada de Campeonato Mundial Pontifício. Ela é uma espécie de Copa do Mundo de Futebol do Vaticano, disputada por equipes formadas por seminaristas e sacerdotes de vários colégios.

Promovida pelo Centro Desportivo Italiano, a competição tem algumas peculiaridades como, por exemplo, a inclusão do cartão azul, que significa 5 minutos fora da partida, e de cinco substituições. De resto, as demais regras são iguais as de um torneio de futebol qualquer.

Todavia, estas competições não são a única relação do Vaticano com o futebol. Mesmo sendo um dos oito Estados oficialmente reconhecidos e independentes, cuja nacional de futebol não é reconhecido pela FIFA, o Vaticano mantém sua própria seleção extraoficial desde 1994.

Formada por voluntários da Guarda Suíça, membros do Conselho Papal e pelos guardas dos Museus, a Seleção de Futebol da Cidade do Vaticano fez seu primeiro jogo da história contra San Marino, empatando em 0 a 0. De lá para cá, o “time sagrado” atuou em sete partidas e conquistou apenas uma vitória em sua história: 5 a 1 contra o SV Vollmond, da Suíça. No mais, são dois empates e quatro derrotas.

O último confronto do Vaticano aconteceu no estádio Borussia-Park, em 2014, contra o Weisfeller Elf, time amador da Alemanha, formado por ex-atletas profissionais das décadas de 70 a 90. Os alemães atropelaram o Vaticano por 8 a 1. O próprio Papa Benedetto XVI foi quem aceitou o convite dos alemães para o confronto beneficente.

Hoje em dia o futebol no Vaticano busca se manter vivo usando como lema “intenção de seu fundador” que é conduzir o espírito de agregação e amizade entre todos aqueles que trabalham no Estado.

Jonathan Silva

Sobre Jonathan Silva

Jonathan Silva já escreveu 82 posts nesse site..

Um jornalista de 23 anos que simplesmente ama futebol. Trabalhou nos jornais Folha Metropolitana e Metrô News, de São Paulo, todos como repórter. Atualmente é assessor na empresa TBL Comunicação. Por paixão, há três anos criou o blog Gol de Canela Futebol Clube, que procurar contar um pouco sobre história do futebol.

BetWarrior


Poliesportiva


Jonathan Silva
Jonathan Silva
Um jornalista de 23 anos que simplesmente ama futebol. Trabalhou nos jornais Folha Metropolitana e Metrô News, de São Paulo, todos como repórter. Atualmente é assessor na empresa TBL Comunicação. Por paixão, há três anos criou o blog Gol de Canela Futebol Clube, que procurar contar um pouco sobre história do futebol.

    Artigos Relacionados

    Topo