Adolfo Gaich comemorando gol pela seleção argentina

O atacante argentino Adolfo Gaich, de 21 anos, é o novo reforço do CSKA Moscou, da Rússia. De acordo com o repórter César Luis Melo, do TyC Sports, o San Lorenzo aceitou uma proposta de 8,5 milhões de euros por 80% dos direitos econômicos do jogador. O centroavante do Ciclón também despertava o interesse de outras equipes, como o Atlético-MG, que chegou a oferecer cerca de 26 milhões de reais pelo atleta, mas não chegou a um acordo.

Como joga Adolfo Gaich?

Uma das principais jóias da base do San Lorenzo, Gaich chamou a atenção do mundo todo com suas ótimas atuações. Principalmente nos Jogos Pan-Americanos de Lima em 2019, quando marcou seis gols em seis jogos e foi peça fundamental para a conquista da medalha de ouro. Chamado de El Tanque pela torcida, o camisa 38 dos Cuervos possuía 13 jogos e cinco gols marcados na atual temporada da Superliga Argentina.

Adolfo Gaich é um atacante alto e forte, excelente no jogo aéreo. Um centroavante daqueles clássicos, peça rara no futebol atual. Além de ser dono de um chute muito potente e preciso, o jovem atacante sabe utilizar muito bem o seu porte físico para fazer o pivô e abrir espaço nas laterais. Sendo assim, com tanta qualidade, sua ida para o futebol europeu era dada apenas como questão de tempo. Além do CSKA Moscou, o Benfica também desejava contar com El Tanque.

O que resta ao San Lorenzo?

O clube de Buenos Aires ainda mantém parte dos direitos econômicos do atleta, visando obter retorno financeiro em uma futura venda. Além disso, o Ciclón também atuou rápido no mercado para suprir a ausência de Adolfo Gaich. O clube acertou com o atacante Di Santo, que estava livre no mercado após rescindir com o Atlético-MG, em um contrato de três anos.

Foto destaque: Divulgação/Twitter/Selección Argentina

Odilon Santiago
Tenho 19 anos de sonho e de sangue e de América do Sul. Apaixonado pela escrita e pelo futebol, sobretudo naquele que é praticado em canchas latinas, com muito papel picado, catimba e cachorro invadindo o gramado. Um tango argentino me vai bem melhor que um Blues. Jornalista em formação pela Universidade São Judas Tadeu.

Artigos Relacionados