Brasil

Uma partida com um vasto repertório de sensações e particularidades. Em primeiro lugar, vale destacar a carga emocional que esse jogo de Copa do Mundo carrega com si. Isso porque, em campo, jogavam o maior campeão da história – Brasil – contra a então grande surpresa do mundial de 2014Costa Rica.

Nesse sentido, fica clara a divergência das ambições que cada time esperava almejar durante o torneio disputado na Rússia. Enquanto a Verde-Amarela buscava o tão sonhado hexa, cujo qual nos havia escapado nas últimas três edições, a Seleção Costarriquenha vinha para sua quinta participação apenas. Assim, tentava estragar uma festa anunciada por milhares de brasileiros que lotaram o Estádio São Petersburgo.

Contudo, o contexto não era o dos melhores. Na 1ª rodada, o time, comandado por Tite, empatou inesperadamente com a Suíça, por outro lado, a La Sele perdeu por 1 x 0 para a Sérvia. Dessa forma, com a vitória sendo o único resultado possível para ambas as equipes, já nasciam indícios de que o jogo daria o que falar. Portanto, com o palco pronto para uma partida histórica, vamos mergulhar nessa narrativa.

 BRASIL 2 x 0 COSTA RICA

Pela 2ª rodada da Copa do Mundo, as equipes do continente americano precisavam vencer a todo custo. O Brasil apostava suas fichas no elenco, que fez excelente campanha nas eliminatórias, e ainda contava com o craque Neymar – apesar de ter se recuperado a pouco tempo de uma lesão -. Já a Costa Rica tinha esperanças após trajetória consistente pela CONCACAF, com direito a garantia antológica para o torneio: Waston fez o gol da classificação aos 50′ do 2° tempo.

1° TEMPO 

Já nos primeiros minutos, era nítida a tensão que rodeava todos os jogadores que entraram em campo pelo lado dos Pentacampeões. Apesar das estatísticas favoráveis, o Brasil abusava em chutes despretensiosos e pecava na ansiedade de concluir as jogadas. A melhor chance de gol, aliás, foi do time, comandado por Óscar Ramírez, após chute rasteiro do volante Celso Borges, assustando o goleiro Alisson.

A primeira etapa terminou apática, sem grandes exibições por ambos os lados. Dessa maneira, com Los Ticos retrancados, o trio ofensivo brasileiro – composto por Neymar, Gabriel Jesus e Willian – foi pouco eficaz. Entretanto, começavam a surgir lampejos do meia Philippe Coutinho, que seria fundamental para os 45 minutos finais.

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

2° TEMPO

A etapa final começou semelhante ao 1° tempo, porém com um futebol mais vistoso pela Seleção Brasileira. Douglas Costa entrou no lugar de Willian, e mudou o rumo da partida. Após grandes defesas de Keylor Navas, e uma bola cabeceada por Gabriel Jesus no travessão, a equipe canarinha parecia, enfim, ter entrado na partida.

Depois de bela movimentação na esquerda, Neymar saiu cara a cara com o goleiro e desperdiçou um chute que raramente erraria. Para desespero da torcida, o atacante ainda sofreu um pênalti anulado pelo VAR. Assim, a angustia pelo resultado aumentava, porém, a ansiedade do time ia saindo aos poucos, se transformando em um belo futebol. O gol era apenas questão de tempo.

E não deu outra. Aos 46′, após Firmino tocar de cabeça, Gabriel Jesus dominou desajeitado, e a bola caiu nos pés de Philippe Coutinho, que abriu o placar em toque sutil de bico. Assim, os minutos finais contaram com um show da Seleção, com direito a lambreta e dribles desconcertantes. Em seguida, Douglas Costa achou Neymar, livre, para finalmente fazer seu primeiro gol na Copa do Mundo de 2018 e sacramentar a vitória por 2 x 0.

Lembranças desse jogo

Um fato curioso aconteceu logo após o primeiro gol brasileiro na partida. A emoção foi tamanha, que o técnico Tite protagonizou uma cena emblemática: na comemoração, o treinador saiu correndo com os reservas e acabou caindo, precisando da ajuda dos goleiros Ederson e Cássio para se levantar. Além disso, Neymar não conteve o choro e se emocionou após o termino do confronto. Isso porque, o craque do Paris Saint-Germain ficou três meses fora dos gramados, mas conseguiu voltar a tempo de disputar a competição mais importante do universo futebolístico.

Foto destaque: Reprodução/Mas Rossi/Reuters

Luca Bíscaro Garcia
Estudante de Jornalismo na PUC-Rj, sou apaixonado por esportes e principalmente pelo futebol. A paixão pela produção de conteúdo jornalístico sempre me atraiu, e espero crescer bastante na área.

Artigos Relacionados