Questão catalã no futebol espanhol (Foto: Foto destaque: Reprodução/Albert Gea/Reuters)

O movimento político de independência catalã, busca a emancipação da Catalunha da Espanha. Assim, durante a Guerra da Sucessão em 1914, a região foi ocupada pelas tropas de Bourbon e logo após, Felipe V unificou os reinos sob a Coroa espanhola. Diante disso, historicamente, sempre houve tensão e conflitos buscando a autonomia do território catalão. No entanto, como essa questão do âmbito político impacta no futebol espanhol?

O período do Regime franquista foi essencial para o futebol ser mais representativo na questão catalã. Apesar disso, o Barcelona, desde muito antes, sempre apoiou movimentos separatistas, diferentemente do seu adversário local, o Espanyol. Desse modo, durante os anos em que Franco ficou no poder, todos os símbolos da Catalunha eram proibidos, inclusive a língua. E o Barça, principal time catalão, representava o contrário do que o governo queria evidenciar.

Em vista disso, em suas partidas, o Barcelona sempre reforçava sua identidade catalã e era o palco ideal para protestos, visto que esse tipo de demonstração era proibido. Também foi nesse período que o Barça estabeleceu seu lema “Mais que um clube”, devido a sua representatividade na pauta sobre a independência da Catalunha. Além disso, nessa época que surgiu o grito por independência no minuto 17:14 de cada jogo, em alusão ao final da Guerra da Sucessão, quando a região perdeu a independência.

CONFLITOS RECENTES

Atualmente, os protestos e manifestações ainda são recorrentes. Em 2012, milhares de catalães protestaram nas ruas pedindo a separação. E nos anos seguintes as declarações continuaram, até que em 2015 um governo pró-emancipação foi eleito. Dessa maneira, em 2017, o presidente da região Carles Puigdemont, comunicou um referendo de independência da Catalunha, que era considerado ilegal na Espanha. Os dias que antecederam o votação foi de total tensão no país e líderes separatistas foram presos.

O Barcelona, sempre uma voz ativa a favor da independência da Catalunha, apoiou o referendo catalão e pediu para adiar a partida contra o Las Palmas, que aconteceria no dia da votação, mas a La Liga não aceitou. Sendo assim, decidiram realizar a partida de portões fechados como forma de protesto. O clube emitiu um comunicado dizendo apoiar o direito de os cidadãos votarem.

“Diante dos acontecimentos dos últimos dias, e especialmente hoje, com relação à situação política que vive a Catalunha, o Barcelona, fiel ao seu compromisso histórico com a defesa do país, da democracia, da liberdade de expressão e do direito a decidir, condena qualquer ação que possa impedir o exercício pleno desses direitos”, afirmou o clube.

Camp Nou vazio em partida entre Barcelona e Las Palmas (Foto: Reprodução/Reuters)
Camp Nou vazio em partida entre Barcelona e Las Palmas (Foto: Reprodução/Reuters)

POSICIONAMENTO DE JOGADORES

Diversos jogadores também deixam clara a sua posição em relação a questão da independência da Catalunha. Como por exemplo, Pep Guardiola, ex-jogador da seleção espanhola, e hoje técnico do Manchester City. Entretanto, um dos que são mais engajados na causa catalã é o zagueiro Gerard Piqué, que incentivou no twitter as pessoas irem votar: “A partir de hoje e até domingo, vamos nos expressar pacificamente. Não vamos dar nenhuma desculpa a eles. É o que querem. E cantaremos bem alto e bem forte. Votem”

Embora o “sim” pela independência da Catalunha tenha vencido no número de votos, o governo espanhol não reconheceu o referendo. Além disso, o presidente Puigdemont foi destituído. Contudo, em 2019 uma nova onda de protestos retornaram, após o Tribunal Supremo da Espanha condenar nove líderes separatistas. Por sua vez, a partida do El Clásico, entre Real Madrid e Barcelona precisou ser adiada devido à segurança dos jogadores e torcedores estarem ameaçadas em meio às manifestações.

O QUE MUDARIA NA LIGA ESPANHOLA COM A INDEPENDÊNCIA

Se a independência da Catalunha for concretizada, o futebol espanhol seria bastante afetado. Nesse sentido, todas as equipes catalãs parariam de participar de competições espanholas. Dentre elas, Barcelona, Espanyol, Girona e Gimnástic de Tarragona. Logo, também seriam afetados os times da Segunda Divisão e os da Terceira Divisão. Além disso, as outras modalidades esportivas também seriam impactadas.

O futebol espanhol é um dos principais do mundo e movimenta milhões de espectadores. O clássico entre Real Madrid x Barcelona, por exemplo, é o mais famoso. Dessa maneira, a saída do Barça da La Liga, por conta de uma independência catalã, traria problemas tanto para o clube, quanto para a Federação. Dado que, diminuiria a arrecadação e traria problemas econômicos para ambos.

Ademais, com uma separação da Catalunha, a seleção espanhola também seria afetada, uma vez que equipes nacionais são compostas por jogadores da mesma nacionalidade. Desse modo, atletas como Gerard Piqué, Sergi Roberto, Sergio Busquets e Gerard Deulofeu, todos nascidos em Barcelona e são integrantes da seleção da Espanha que foi campeã da Copa do Mundo de 2010, não poderiam atuar.

Foto destaque: Reprodução/Albert Gea/Reuters

Ayana Santana
Uma baiana de 19 anos, estudante de jornalismo no Centro Universitário Jorge Amado, amante do futebol e do Esporte Clube Bahia. Encontrou no jornalismo a junção de duas paixões: a escrita e o esporte.

Artigos Relacionados