Deco beija a taça de campeão da Champions League pelo Porto

E aí, gurizinho? O Gajo Conta dessa semana veio falar justamente de alguns companheiros aí do Brasil. A relação Portugal-Brasil vem desde o descobrimento das terras tupiniquins em 1500 e é alimentada constantemente no futebol. Não é novidade para ninguém que os lusos veem com muito carinho os destaques brasileiros, aliás os portugueses são ótimos para lapidar os jogadores mais talentosos. Desse modo, os clubes estrangeiros miram os jovens, com maioria de entre 18 e 23 anos, contratam por um valor mais baixo e vendem em euro para as maiores potências mundiais.

Devido a facilidade da língua e o clima similar ao Brasil, os futebolistas enxergam Portugal como o lugar ideal para o começo da jornada na Europa. Os lusitanos, inclusive, são os que mais contratam atletas canarinhos, de acordo com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol). Até mesmo, o lendário e polêmico ex jogador, Eric Cantona, se mudou para Lisboa afirmando que “É o Rio da Europa”, exemplificando tamanha semelhança. Dito isso, abaixo estarão os brasileiros que brilharam na terra de nossos colonizadores:

Lúcio Soares

Lúcio Soares no América (RJ)

Nada mais justo do que começar falando do pioneiro brasileiro a jogar em Portugal. Nascido em Manhuaçu, Minas Gerais, o zagueiro defendeu a Portuguesa e o América carioca. Pelo fato do pai José Maria Soares ter nascido em Portugal, Lúcio Soares obteve cidadania portuguesa. Em 1959, foi vendido ao Sporting, onde conquistou o campeonato nacional, a Taça das Taças e a Taça de Portugal. Pelos Leões, adquiriu status de ídolo ao fazer 103 jogos oficiais pelo time de Lisboa, marcando 35 vezes por virtude de ser um exímio cobrador de faltas e pênaltis. Soares, jogou, pela seleção portuguesa entre 1960 e 1962.

Assim sendo, o mineiro dividiu com o sul-africano David Abraão o posto de primeiros jogadores nascidos fora do território português a defenderem a equipe lusitana –foram titulares no amistoso contra a Alemanha Ocidental, em 1960. Infelizmente a morte veio prematura: Lúcio Soares morreu aos 40 anos vítima de um afogamento em uma pescaria no Rio Verde, em Varginha

Deco

Deco em ação por Portugal

Deco foi um meio campista brasileiro, naturalizado português, foi um verdadeiro maestro, e brilhou por grandes clubes europeus. Anderson Luís de Souza, o Deco foi revelado pelo Corinthians, passou pelo CSA e alguns times portugueses, mas conseguiu reconhecimento profissional apenas quando foi jogar no Porto, em 1998.  Pelos Dragões, realizou 229 jogos, tendo anotado 48 gols. Após uma passagem vitoriosa, com direito a título de Champions League, se transferiu-se para o Barcelona de Ronaldinho Gaúcho.

O jogador se naturalizou português em 2003, causando grande polêmica. Uma curiosidade é que Luiz Felipe Scolari, o novo treinador de Portugal à época, teve influência na escolha de Deco. Pela Seleção Portuguesa, o meia disputou a Euro 2004 e 2008 e as Copas do Mundo de 2006 e 2010, sendo titular absoluto nas campanhas. Agora, aos 42 anos, Deco mora em Portugal, mas mantém seus laços com o Brasil investindo na sua nova profissão de empresário de jogadores.

Jardel

Jardel é ídolo no Porto

Famoso pelos seus gols de cabeça, é ídolo no Grêmio, onde foi campeão e artilheiro da Copa Libertadores da América de 1995. Em 1996, o atacante brasileiro foi transferido para o Porto. Sendo  talvez o melhor finalizador da história dos Dragões. Em 175 jogos balançou as redes em incríveis 168 oportunidades. Por lá conquistou três Ligas, três Taças de Portugal e três Supertaças. Era desengonçado, não era rápido, não fazia malabarismos com a bola, mas na hora de finalizar era implacável. Um “matador” por excelência que a vida extra-campo não deixou atingir patamares ainda mais elevados.

Ainda jogou no Sporting entre 2001 e 2003, mesmo sem o grandes títulos, ainda foi considerado ídolo pelo rival. Após se aventurar na vida política, Jardel, teve seu mandato cassado no Rio Grande do Sul.

Hulk

Hulk comemora gol pelo Porto

Revelado pelo Vitória, o jogador atacante brasileiro é dos jogadores que mais saudades deixou aos torcedores portistas. As incríveis arrancadas e os potentes arremates foram imagem de marca do “incrível Hulk”. Pelo FC Porto realizou 170 jogos e fez 78 gols. Hulk é o terceiro estrangeiro que mais golos anotou pelos azuis e brancos, apenas atrás de Jardel e Jackson Martínez. Chegou ao Porto como um verdadeiro desconhecido, vindo dos japoneses do Tokyo Verdy 1969 FC, e deixou o Dragão por fantásticos 40 milhões de euros para prosseguir a carreira nos russos do Zenit FK.

Atualmente é jogador do Shanghai SIPG, da China. É dono de um dos maiores salários do mundo.

Liédson

Liedson comemora gol pelo Sporting

Nascido em Cairu, na Bahia, Liédson passou pelo Poções, Prudentópolis e Inter de Santa Maria, até chegar ao Coritiba, onde se profissionalizou. Tendo boas atuações, em 2002 assina com o Flamengo e em 2003 com o Corinthians. No meio da temporada Liédson vai para o Sporting, onde se tornou ídolo da torcida. Nos alviverdes de Portugal, Levezinho, como era conhecido fez 172 gols em 313 partidas e passou oito anos na Europa.

Voltou para o Timão em 2011 e conquistou a Libertadores da América. Teve ainda outra passagem pelo Flamengo e uma pelo Porto. Pela Seleção Portuguesa, jogou a Copa do Mundo de 2010.

Helton

Helton jogou no Porto por 11 anos

O goleiro brasileiro é um nome incontestável na história do Porto, tendo realizado a marca de fantástica de 334 jogos em onze anos com a camisa dos azuis e brancos. Conquistou 12 títulos: sete Ligas, quatro Taças de Portugal, seis Supertaças e uma Liga Europa. Um currículo impressionante, só ao nível do ídolo Vítor Baia. Assim, Helton foi uma figura marcante no vestiário do FC Porto durante diversas temporadas, foi capitão de equipe e uma referência para os novos jogadores que chegavam ao clube.

Nos dias de hoje, tem 41 anos, e está investindo na carreira musical, tendo um grupo chamado “Uzôme

Luisão

Luisão é símbolo para os benfiquistas

Ânderson Luís da Silva, o Luisão, foi revelado pelo Juventus-SP em 1999. Após bom campeonato paulista, chamou atenção do Cruzeiro, onde jogou de 2000 a 2003. Posteriormente, foi para o Benfica, no qual jogou por 15 anos e disputou 538 jogos, sendo 414 como capitão, e marcou 47 gols. Com efeito, é o segundo que mais vestiu a “camisola” vermelha, atrás apenas de Nené (578 jogos). Nos Encarnados, ganhou 20 troféus, sendo assim o maior vencedor da história do clube.

Pela seleção brasileira, ele fez parte dos elencos das Copas do Mundo de 2006 e 2010 e ganhou a Copa América de 2004 e as Copas das Confederações de 2005 e 2009.

Ramires

Ramires foi apresentado no Estádio da Luz

Como resultado de uma excelente passagem pelo Cruzeiro, posterior à descoberta no Joinville, o jogador se transferiu para o Benfica. Por lá, fez somente uma temporada, com 43 jogos e cinco gols, no entanto, foi o suficiente para atrair o Chelsea, que por sua vez desembolsou 19 milhões de libras para tirar o volante de Portugal. Nesse hiato, foi um dos principais jogadores na inédita conquista da Champions League em 2012 pelos Blues.

Por consequência, está jogando no Palmeiras atualmente.

Alex Sandro

Alex Sandro em ação pelo Porto

O lateral-esquerdo chegou ao Porto em 2011, vindo do Santos FC, e manteve-se no Dragão até 2015 sendo depois transferido para a Juventus por 26 milhões de euros. Por certo, hoje é unanimemente considerado um dos melhores laterais do futebol mundial. No FC Porto realizou 137 jogos nos quais apontou três golos. Ao serviço dos Dragões conquistou duas Ligas e duas Supertaças. Alex Sandro foi, talvez a par do seu conterrâneo Branco, o melhor defensor esquerdo que passou pelo FC Porto.

Aloísio

Aloísio jogando pelo Porto

Aloísio chegou ao Porto em 1990 aos 27 anos, vindo do gigante Barcelona. Após 10 anos de serviço no clube português, o zagueiro é o estrangeiro que mais atual na história dos azuis e branco com 474 partidas e é o terceiro que mais atuou, atrás somente de Vítor Baía e João Pinto. 

O jogador se destacava pela classe em campo, com desarmes precisos e jogada aérea forte. Outrossim, seu profissionalismo é usado como exemplo até os dias de hoje para os jovens jogadores. Para muitos, é o maior zagueiro da história dos Tripeiros, de tal forma que, com o brasileiro no centro da defesa, o Porto ganhou 7 campeonatos, 7 Supertaças e 5 Taças de Portugal. 

Jonas

Jonas é o maior artilheiro estrangeiro da história do Benfica

Jonas chegou em 2015 para os Encarnados, vindo do Valencia. Pelo Benfica, o atacante defendeu por cinco temporadas, com 137 gols em 183 jogos oficiais pelo time de português, o que deu a ele a marca de segundo maior artilheiro estrangeiro do clube, atrás apenas do paraguaio Óscar Cardozo. Conquistou quatro títulos do Campeonato Português, um da Taça de Portugal, dois da Taça da Liga e dois da Supertaça. O brasileiro anunciou a aposentadoria no inicio da temporada, optando em não deixar seu contrato vencer.

Uma curiosidade de Jonas, é que em 2009, foi considerado o pior atacante do mundo, ao errar um gol sem goleiro. Mas todos sabiam da qualidade do avançado.

 

*É válido ressaltar que outros jogadores brasileiros tiveram grandes feitos em Portugal, como o folclórico meio campista Carlos Alberto, atual comentarista da Fox Sports, entretanto sua passagem pelo Porto não foi longa e não tão marcante a não ser pelo gol na final da Champions.

 

Foto/Reprodução: Facebook do Deco

Ian Felipe
Sou Ian Felipe, estudante de jornalismo de 20 anos. Amante dos esportes e apaixonado pelo futebol.

Artigos Relacionados