Foi na Copa do Mundo da Suécia em 1958 que a seleção do País de Gales chegou tão perto do título de campeã mundial de futebol. Desta maneira, a Coluna Reino Unido pelo Futebol desta semana, apresenta a campanha histórica e única da equipe que chegou às quartas de final do torneio, mas que encontrou no caminho a mais tarde vencedora Seleção Brasileira, que na época tinha um jovem estreante: Pelé.

LEIA MAIS:

Tottenham: o título da Copa da Liga Inglesa 2007/2008

A Era Cristiano Ronaldo no Manchester United

John Terry: O lendário xerife do Chelsea

Era para ser: a sorte da classificação

Com 55 equipes, apenas 16 seleções seguiriam para Copa de 58 (incluindo duas seleções já automaticamente classificadas). Assim, na fase de grupos das Eliminatórias realizadas pela UEFA na Europa, o País de Gales se encontrava no Grupo 4 com a Checoslováquia e Alemanha Oriental. Contudo, com as seleções jogando entre si, a vencedora e líder do grupo foi dos checos e que garantiram assim, o seu lugar no Mundial.

Em segundo ficou o País de Gales. Entretanto, Israel aguardava o adversário proveniente da África e a seleção do continente seria o Sudão. Mas, a equipe se recusou a jogar com os israelenses, pois sabia que o time estaria já classificado sem precisar disputar nenhuma partida. Desta maneira, a FIFA não permitiu e fez com que Israel jogasse com o segundo colocado da Europa, a seleção galesa. Assim, uma nova chance e a grande oportunidade de seguir para a Copa do Mundo na Suécia surgiu com as demais 11 seleções europeias, após vencer os israelenses na repescagem especial por 2 x 0.

Chegada ao Mundial – 1ª fase

Na ocasião, os quatro países do Reino Unido foram classificados pela primeira e última vez na história das Copas. Assim, divididos em quatro grupo com seleções totalizando 16, o País de Gales fazia parte do Grupo C junto à Suécia, Hungria e México. Contudo, a anfitriã Suécia já estava garantida nas fases finais. A Hungria era uma seleção forte e também atual vice-campeã do último torneio, porém, havia perdido seus melhores jogadores depois da Revolução que ocorreu 1956 na luta contra os soviéticos. Além do desgastes sofridos dos jogadores nos últimos anos nas competições.

Com a Suécia na liderança do Grupo C, Hungria em 2º e o País de Gales em 3º (ambos com três pontos), teve uma nova repescagem (playoffs) para dar a passagem a seleção que iria seguir para as quartas de final. Deste modo, as duas equipes empatadas se enfrentaram em 17 de junho de 1958 e o País de Gales venceu por 2 x 1 com gols de Ivor Allchurch e Terry Medwin. Ainda na partida, a Hungria teve a expulsão do zagueiro Ferenc Sipos.

A queda do País de Gales diante do futuro Rei

Em 19 de junho de 1958 era o grande dia no Estádio Ullevi em Gotemburgo, na Suécia pelas quartas de final da Copa do Mundo. Assim, o País de Gales com sua forte defesa iria enfrentar uma das melhores equipes do mundo: a seleção brasileira de Didi, Garrincha, Zagallo, Nilton Santos e do jovem Pelé de apenas 17 anos.

Eis que o momento chegou. O País de Gales viu o fim de um sonho, do título inédito e a melhor campanha em Copas do Mundo ir embora. Desta maneira, aos 21 minutos, o estreante jogador brasileiro Pelé marcou seu primeiro gol em um Mundial. A partida terminou em 1 x 0 com o show do futuro rei do futebol. Assim, o País de Gales deu adeus ao torneio nas quartas de final. Contudo, a seleção brasileira continuou na disputa, venceu a França por 5 x 2 na semifinal e na grande final derrotou a anfitriã Suécia também por 5 x 2, levando assim a primeira taça em Copas do Mundo.

Foto Destaque: Reprodução/TheGuardian/Arquivo Pessoal

 

Amanda Cruz
Amanda Cruz
Sou Amanda Cruz, formada em História e estudante do último ano de jornalismo. Atualmente moro em Lorena/SP, mas sou paulistana e filha de pernambucanos. Despertei minha paixão pelo futebol na Copa de 2006 e desde lá o amor só cresceu. Sempre curiosa sobre esportes e amante de história, gosto de estar por dentro do assunto. Acompanho sempre notícias e jogos, principalmente das ligas europeias. Assim, o futebol é um esporte emocionante e como futura jornalista, escrever sobre ele é demais!