Nacional vira sobre Torque e é bicampeão do Intermedio uruguaio

Time celeste foi campeão durante 62 minutos, mas a expulsão de Facundo Mallo fez o rival crescer e estragar o sonho do emergente clube uruguaio de ser campeão

Na final do Torneio Intermedio deu a lógica, mas por pouco. O Nacional foi campeão em cima do Torque em uma virada por 3 x 2. O duelo aconteceu ontem (domingo), no estádio Centenário, em Montevidéu. Darío PereiraLuis Aguiar foram os destaques da partida com dois gols cada. A vitória dá aos Tricolores o segundo título nacional este ano (venceram o Apertura) e, com mais este, garantem vaga na Supercopa Uruguaia que acontece no início de 2019, contra o campeão uruguaio.

Pequena torcida do Torque faz homenagem ao primeiro grande momento da história do clube ao chegar a sua primeira final na principal divisão de futebol do Uruguai (Divulgação/Twitter Oficial Torque)

1º tempo

O jogo começou com os donos da casa pressionando, impondo o peso da camisa contra o emergente uruguaio dos mesmos donos do Manchester City. O Nacional teve duas chances de abrir o placar, com Tabaré Viudez e Sebastián Fernández, mas desperdiçaram. O Torque também ofereceu perigo com um chute de fora da área de Valentín Castellanos, também não teve êxito. Mas aos 22 minutos não teve jeito. O time Celeste começava a comandar a peleja e Darío Pereira, que não é a lenda uruguaia do São Paulo, abriu o placar para o “Davi” da história. E Darío ainda aumentou a vantagem dos torquenses na etapa inicial, aos 40′. Castellanos fez boa jogada e tocou para Mauricio Gomez que finalizou e, no rebote do goleiro Conde, o camisa 20 apareceu para deixar os torcedores loucos, parte positivamente, parte não. O time celeste continuou nos toques rápido e envolventes, colocando os rivais na roda e controlando o jogo até o fim da primeira etapa.

Jogadores do Torque comemoram gol contra o Nacional na final do Torneio Intermedio Uruguaio 2018 (Divulgação/Twitter Oficial Torque)

2º tempo

Na etapa final o Torque seguiu bem na partida, apostando nas tabelas. O jogo parecia controlado até que Facundo Mallo tomou o segundo amarelo e foi expulso, aos 62 minutos, deixando o time com um a menos e extremamente enfraquecido contra um time que muito bom. A falta de um jogador pesou demais para o time torquense. Eis então que brilhou a estrela de Luis Aguiar. Apenas cinco minutos com um a mais em campo e os Tricolores diminuíram. O cruzamento de Sebastián Fernández foi preciso para Luis Aguiar mandar a bola para o fundo das redes num voleio sem pulo. Golaço. Com o adversário enfraquecido e seu elenco motivado, Nacional foi para cima e empatou a partida aos 72′, só cinco minutos após diminuir. Em jogada pela esquerda, Bergessio recebeu bola de costa para o gol, fez o pivô e serviu Fernández que, sem dominar, tocou de forma precisa para Aguiar fazer o segundo dele e empatar o jogo, levantando a torcida.

Luis Aguiar comemora gol contra o Torque na final do Torneio Intermedio Uruguaio 2018 (Divulgação/Twitter Oficial Nacional)

Aos 77′, o capitão tricolor Diego Polenta foi expulso, em seu último jogo pelo time, deixando tudo igual em número de jogadores, o que fez a partida voltar ao equilíbrio natural. Os dois tiveram chance para vencer, mas o Rey de Copas conseguiu marcar, aos 91′, com o argentino Gonzalo Bergessio, após outra assistência na medida de Fernández.

O argentino Gonzalo Bergessio marca gol da virada contra o Torque na final do Torneio Intermedio Uruguaio 2018 (Divulgação/Twitter Oficial Nacional)

E agora?

Com a vitória o Nacional se torna bicampeão do Torneio Intermedio (venceu também em 2017) e se classifica para a Supercopa Uruguaia, no início de 2019, contra o campeão uruguaio. Já o Torque cai de cabeça erguida e faz história, mesmo sem o título, arrancando elogios do treinador Pablo Marini“Estamos todos muito tristes porque perdemos uma final que foi controlada. Nós estávamos ganhando 2 x 0. Há angústia gerada pela perda de uma final. Nós tivemos o básico para chegar à vitória. Sinto muito orgulho do time que temos, do trabalho que fizeram, do jogo que jogaram!”, afirmou o comandante celeste. Os Torquenses voltam a batalha para permanecer na divisão de elite do Uruguai, pois ainda estão na zona de rebaixamento do campeonato, sendo penúltimo colocado na tabela geral, com 10 pontos, onde os dois últimos serão rebaixados. O próximo compromisso de ambos é no Clausura, que volta dia 22 de julho, pós-Copa do Mundo, com todos os jogos às 16h (Brasília), onde o duelo é, justamente, Nacional x Torque.

Veja os melhores momentos da partida:

Eric Filardi

Sobre Eric Filardi

Eric Filardi já escreveu 622 posts nesse site..

Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia.Sou Eric Filardi, paulistano de 24 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.

Please follow and like us:
Facebook
Facebook
YouTube
YouTube
Instagram

Comments

comments

Eric Filardi
Eric Filardi
Quando pequeno quis ser jogador. O sonho de criança passou. Uma vida nova se anseia. Bem-vindo ao melhor site de futebol. Bem-vindo ao Futebol na Veia.Sou Eric Filardi, paulistano de 24 anos, jornalista de formação e apaixonado por futebol. Como todo jornalista amo escrever. Como todo brasileiro amo futebol. Tenho meu clube e minhas preferências, mas viso o profissionalismo e a imparcialidade, sem deixar de lado a criatividade. Sou Tricolor, sou Peixe, sou Palestra e sou Timão. Sou da Colina, Botafogo, sou Flu e sou do Mengão. Sou Brasil, sou Hermano, francês e italiano. Sou Ghiggia, Paolo Rossi, Caniggia e Zidane. Sou Alemanha dos 7 a 1, mas que o povo não se engane. Também sou Ronaldo, Romário, Zico, Garrincha e Pelé. Sou Bundesliga, MLS, Eredivisie e Premier. Sou das várzeas e dos terrões, sou Clássico das Multidões. Sou sul, sou nordeste, Amazônia e Pantanal. Sou Galo, sou Raposa, sou Bavi e sou Grenal. Sou Ásia, sou África, sou Barça e sou Real. Sou as Américas, a Europa, sou o mundo em geral. Sou a festa nas arquibancadas, que o estádio incendeia, sou Futebol na Veia.
http://www.ericfilardi.com.br

Artigos Relacionados

Topo