Igualdades deixam a tabela intacta no Campeonato Paraense

Dois jogos concluíram a 3ª rodada da competição
Igualdades deixam a tabela intacta no Campeonato Paraense

Duas partidas movimentaram o domingo do Campeonato Paraense 2019. No clássico santareno, o empate foi um grande resultado para quem mandava a partida. Já no duelo entre Castanhal e Paysandu, os times foram vencidos por uma adversário implacável: a chuva!

Parazão 2019 – 3ª Rodada

São Francisco 2 x 2 Tapajós

Em Santarém, o primeiro clássico paraense da temporada, teve emoção e terminou com pontuação dividida no Colosso do Tapajós. O primeiro tempo foi melhor para o Boto, e logo aos quatro minutos, Mariano recebeu ótimo passe e fez o primeiro gol do jogo. Na sequência, o Leão pressionou e foi premiado aos 33′ com Daniel Papa-Léguas, só empurrando a bola para o gol.

Na etapa final, o São Francisco voltou melhor, mas foi o Tapajós que conseguiu balançar a rede, com a falta de Andrezinho. A partir daí o equilíbrio imperou, mas Daniel Papa-Léguas novamente fez o seu, igualando o placar. Sobrou tempo ainda, para o meia Léo, do Tapajós, ser expulso, mas nada de mudança no placar, que ficou mesmo em 2 x 2. O São Francisco se mantém na lanterna do Grupo A1, com apenas um ponto, já o Tapajós é o penúltimo do A2, com quatro conquistados.

Castanhal 0 x 0 Paysandu

Nada de gols no Modelão, em Castanhal. As duas equipes jogaram com um gramado pesado, por conta da chuva que apareceu momentos antes da partida. Mas aos poucos os times se soltaram, e o Paysandu levou perigo com Nicolas e Leandro Lima. O Japiim, assustou com Juninho, em um chute que passou perto da meta do goleiro Mota.

No segundo tempo, o campo fico ainda pior, com determinados setores impossíveis de jogar. O jeito foi apostar na bola aérea que Lucas (pelo Paysandu) e Fabinho (no Castanhal), não aproveitaram as chances que tiveram. Os treinadores tentaram alterar seus esquemas de jogo, mas as mudanças na partida não surtiram efeito e o placar ficou mesmo em 0 x 0. Com a igualdade, o Bicolor continua líder do Grupo A2 com sete pontos, um a menos do que o Paragominas, segundo colocado. Já o Castanhal tem quatro, em penúltimo do grupo A1

Sobre Ruan Silva

Ruan Silva já escreveu 540 posts nesse site..

Meu nome é Ruan Silva da Silva, tenho 24 anos, moro na cidade de Altamira no Pará. Sou graduado na área de Letras, com habilitação em Língua Portuguesa e no momento pós-graduando na área de Linguagem e Ensino, ambos pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Sou deficiente físico, tenho dificuldades na questão da locomoção, que dificulta um pouquinho as coisas, mas nada que impeça de exercer diversas atividades. Sou apaixonado por todos os esportes, principalmente pelo futebol, corintiano e simpatizante de diversos clubes na Europa que não cabem todos aqui e apaixonado também pelo jornalismo esportivo tendo como ídolos, ícones como Galvão Bueno, Luciano do Valle, André Henning, Vitor Sérgio Rodrigues e outros mais. Uma curiosidade minha é que consegui na graduação em um ambiente voltado aos estudos de ensino e aprendizagem, incluir o futebol no principal trabalho dos quatro anos de curso, o TCC. Escrevi sobre Nelson Rodrigues e a Copa de 1950, temas raramente trabalhados numa graduação como essa. Enfim! Sonho em um dia trabalhar efetivamente na área que tanto amo e acredito que posso fazer um bom papel no meio.

Ruan Silva
Meu nome é Ruan Silva da Silva, tenho 24 anos, moro na cidade de Altamira no Pará. Sou graduado na área de Letras, com habilitação em Língua Portuguesa e no momento pós-graduando na área de Linguagem e Ensino, ambos pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Sou deficiente físico, tenho dificuldades na questão da locomoção, que dificulta um pouquinho as coisas, mas nada que impeça de exercer diversas atividades. Sou apaixonado por todos os esportes, principalmente pelo futebol, corintiano e simpatizante de diversos clubes na Europa que não cabem todos aqui e apaixonado também pelo jornalismo esportivo tendo como ídolos, ícones como Galvão Bueno, Luciano do Valle, André Henning, Vitor Sérgio Rodrigues e outros mais. Uma curiosidade minha é que consegui na graduação em um ambiente voltado aos estudos de ensino e aprendizagem, incluir o futebol no principal trabalho dos quatro anos de curso, o TCC. Escrevi sobre Nelson Rodrigues e a Copa de 1950, temas raramente trabalhados numa graduação como essa. Enfim! Sonho em um dia trabalhar efetivamente na área que tanto amo e acredito que posso fazer um bom papel no meio.

Artigos Relacionados

Topo