Croácia na final: sonhando acordado!

Antes do início da Copa nem o mais otimista torcedor croata colocaria os quadriculados na decisão

O que dizer sobre a Hrvatska (Croácia em croata)? Muitos até poderiam imaginar uma boa campanha do país ex-Iugoslávia, entretanto nem o maior otimista do país europeu imaginaria a seleção da camisa quadriculada na final da Copa do Mundo Rússia 2018. Modrić, Raktić, Perisić e Mandzukić até tem suas qualidades individuais, porém não pensava-se que o conjunto daria tão certo como está dando.

Assim que deu-se o sorteio da Copa, o grupo com Argentina, Nigéria e Islândia era um dos mais equilibrados, em tese, desta edição do Mundial. Dois europeus, um sul-americano e um africano, escolas de futebol totalmente diferentes. Dentre tudo, nada foi páreo ao talento dos croatas: três jogos e três vitórias, incluindo o massacre por 3 x 0 sobre a seleção do todo poderoso Lionel Messi.

Essa perfeição no início, fez com que cerca de quatro milhões de croatas, habitantes de um país que não tem muita história no cenário futebolístico internacional, pudesse sonhar com a superação de sua maior conquista. E o sonho se tornou realidade!

Davor Suker e Zvonimir Boban foram os principais jogadores da Croácia na Copa de 1998 (Reprodução/Internet)
Davor Suker e Zvonimir Boban foram os principais jogadores da Croácia na Copa de 1998 (Reprodução/Internet)

O feito realizado pela fantástica geração de todos esses orquestrados pela batuta do pequeno notável: Luka Modrić, camisa 10 faixa de capitão. Davor Suker, Zvonimir Boban, Robert Prosinecki, Slaven Bilic, Mario Stanic, em 1998, onde chegaram à terceira colocação daquela Copa do Mundo, foi superado na tarde – horário brasileiro – da última quarta-feira, 11. Outros grandes jogadores acabam de cravar seus nomes no hall da fama xadrez após vencerem a Inglaterra com um gol salvador de Mario Mandzukić, no segundo tempo da prorrogação.

A dupla Mandzukić (no foco) e Perisić está longe de ser cobiçada pelos grandes clubes europeus, entretanto o trabalho que esses dois fazem na Croácia é de tirar o chapéu (Reprodução/GettyImages)
A dupla Mandzukić (no foco) e Perisić está longe de ser cobiçada pelos grandes clubes europeus, entretanto o trabalho que esses dois fazem na Croácia é de tirar o chapéu (Reprodução/GettyImages)

É o caso de Subasić, goleiro que foi decisivo nas decisões por pênaltis contra a Dinamarca, nas oitavas, e nas quartas diante os donos da casa, a Rússia. Contra a Inglaterra, na semifinal, não teve tanto trabalho, mas conseguiu se segurar quando chamado. Lovren e Vida também já têm seus lugares na história por formarem uma dupla de zaga unida, entrosada e bastante capaz de parar, na raça, qualquer ataque.

Strinic e Vrsaljko também estão no auge de suas performances. O segundo era dúvida pro embate contra a Inglaterra mas, mesmo não estando 100%, fez uma bela partida durante cada segundo no gramado. Enquanto isso, o meio de campo com Brozovic, Raktić, Modrić, Perisić e Rebić esbanjava técnica, qualidade, lucidez e raça. No ataque, o experiente Mandzukić é o brigador que veste o número 17, mas faz a função do velho 9 como ninguém. Dá aula de como atuar dentro da grande área e buscar jogo nas pontas quando a dificuldade é aumentada.

Todos esses orquestrados pela batuta do pequeno notável: Luka Modrić, camisa 10 e faixa de capitão, que, na infância, teve enormes problemas com as guerras frequentes do Século XX em que o território de seu país estava envolvido.

Quando Luka tinha apenas seis anos, seu avô foi assassinado. Dessa forma, sua família se tornou refugiada em uma zona de guerra. Após conseguir se estabelecer levemente em solo cristã começou a focar no futebol. Na base dos clubes locais, os técnicos diziam que ele era muito franzino e tímido para jogar. Hoje, o iugoslavo de Zadar lidera a Croácia na Copa de sua história.

Luka Modrić, na faixa dos dez anos em solo croata (Reprodução/Internet)
Luka Modrić, na faixa dos dez anos em solo croata (Reprodução/Internet)
Após a classificação sobre a Inglaterra, Modrić parecia apenas exausto em campo, mas quando abraçou o técnico Dalić, foi às lágrimas (Reprodução/GettyImages)
Após a classificação sobre a Inglaterra, Modrić parecia apenas exausto em campo, mas quando abraçou o técnico Dalić, foi às lágrimas (Reprodução/GettyImages)

Essa história de Modrić é apenas uma das várias que cercam o elenco quadriculado. Uma conquista de um título inédito seria a congregação da geração dourada croata. A glória máxima, a honra incontestável, a superação, a polivalência de cada atleta que se desdobra em campo perceptivelmente.

Hoje, percebe-se que a Seleção da Croácia não é apenas uma equipe de futebol. É um conjunto de amigos, uma família unida e composta por profissionais que buscam ostentar o título de heróis nacionais, exceto Kalinić, que se recusou a entrar na primeira partida da Croácia, na vitória por 2 x 0 contra a Nigéria, já no final da partida.

O despercebido do futuro brilhante alegou dores nas costas e não convenceu o treinador Zlatko Dalić. Sendo assim, o comandante do esquadrão xadrez mandou Kalinić de volta para casa. Agora, o atacante do Milan acompanha do sofá a história de seu país sendo escrita.

Sem o desinteressado Kalinić e com um batalhão de guerreiros vestindo o quadriculado vermelho e branco, a Croácia está a um passo de ser campeã do mundo, pela primeira vez em sua história, mas a França não será parada fácil na final de domingo. Moscou será palco de um dos maiores embates da década e o planeta verá onze jogadores e mais quatro milhões de croatas lutando arduamente por uma felicidade indescritível, e desde já sonhando acordados e em êxtase!

Idi, Hrvatska!!!

Sobre Leonardo José

Leonardo José já escreveu 338 posts nesse site..

Sou o Leonardo José, 20 anos, alagoano, estudante de jornalismo e esquerdista. O esporte, a filosofia e a sociologia correm em minhas veias simultaneamente. Louco pelo futebol latino e prefiro Libertadores à Champions League. No Brasil, clássicos como CSA x CRB, Sampaio Correa x Moto Club e ABC x América-RN são bem mais emocionantes que Flamengo x Vasco, Cruzeiro x Atlético-MG e Corinthians x Palmeiras. Para você, leitor, não se cansar lendo minha biografia, finalizo dizendo que "todos os detalhes e os bastidores da vida precisam ser olhados com atenção".Twitter: @leo_silva997

Please follow and like us:
Facebook
Facebook
YouTube
YouTube
Instagram

Comments

comments

Leonardo José
Sou o Leonardo José, 20 anos, alagoano, estudante de jornalismo e esquerdista. O esporte, a filosofia e a sociologia correm em minhas veias simultaneamente. Louco pelo futebol latino e prefiro Libertadores à Champions League. No Brasil, clássicos como CSA x CRB, Sampaio Correa x Moto Club e ABC x América-RN são bem mais emocionantes que Flamengo x Vasco, Cruzeiro x Atlético-MG e Corinthians x Palmeiras. Para você, leitor, não se cansar lendo minha biografia, finalizo dizendo que "todos os detalhes e os bastidores da vida precisam ser olhados com atenção".Twitter: @leo_silva997

Artigos Relacionados

Topo